fbpx
PUBLICIDADE


Grupo fundamentalista Hamas responde crítica e chama Bolsonaro de extremista

Homem do alto escalão do grupo palestino, que tem a guerra santa islâmica como um dos objetivos, disse ter esperança de que o povo brasileiro exerça pressão para mudar as “políticas perigosas” de Bolsonaro

- Publicado no dia
Militantes do Hamas atuando na Palestina (Foto: Reprodução/Rede Soberania)

Um representante do alto escalão do Hamas, grupo islâmico que atua na Palestina e que, entre seus princípios, defende e estimula a guerra santa (“Jihad”), condenou neste sábado (6) a declaração do senador Flavio Bolsonaro (PSL/RJ) de que deseja que o grupo se exploda. O movimento também chamou o presidente Jair Bolsonaro de “extremista”. [1][2]

“Filho do presidente extremista do Brasil, Flavio Bolsonaro está atacando o Hamas porque nós rejeitamos o apoio ilimitado à Israel pelo novo governo do Brasil, em contradição à posição histórica brasileira de proteger os direitos dos palestinos”, escreveu no Twitter um palestino identificado como Dr. Basem Naim, diretor de relações internacionais do grupo e que conta com mais de 22 mil seguidores.


PUBLICIDADE



Flávio, filho do presidente Jair Bolsonaro, criticou o movimento após a entidade reclamar, no início da semana, da visita do presidente Jair Bolsonaro a Israel. Na ocasião, o grupo chegou até mesmo a esbravejar contra a decisão do presidente de abrir um escritório de negócios em Jerusalém. [3]

No Twitter, Naim disse ainda que tem esperança de que a coragem do povo brasileiro poderá “parar essas políticas perigosas” de Bolsonaro, sem especificar a qual tipo de perigo o país estaria exposto. [4]

Distinguindo-se de outros movimentos pró-Palestina, o Hamas possui militantes armados e é apontado como um dos principais autores hostis de atentados à Israel.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.