fbpx
PUBLICIDADE


Grupo de Alexandre Frota ganha registro de marca do MBL e movimento reage

O movimento se manifestou em nota, ressaltando que o grupo relacionado ao deputado vem perseguindo as lideranças do movimento e responde criminalmente por isso

- Publicado no dia
Alexandre Frota (Valter Campanato/Agência Brasil)

O deputado federal Alexandre Frota conseguiu uma vitória em conflito que se arrasta há pelo menos dois anos contra o Movimento Brasil Livre: um grupo ligado a ele conseguiu nesta terça-feira (5) do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) o registro da marca MBL – Associação Movimento Brasil Livre. Os jovens do MBL, por sua vez, reagiram em nota divulgada em suas redes sociais.

No texto, o MBL chama a atitude de Frota e seus aliados de “empreitada psicodélica”, ressaltando que os assessores do deputado são investigados por estelionato. O MBL cita ainda entre eles o advogado China Cleber Teixeira, que ameaçou Olavo de Carvalho e Eduardo Bolsonaro enquanto estava na China.


PUBLICIDADE



A nota afirma que a marca pertence a uma associação privada sem fins lucrativos criada pelas atuais lideranças do movimento, como Kim Kataguiri e Renan Santos. A marca, ainda segundo o texto, é usada desde 2014, tendo sido feito o primeiro depósito em 2015 no INPI para tentar o registro na nominação correta, pedido protocolado antes do de Frota. “Nosso pedido de registro é anterior ao da associação fraudulenta, garantindo o amparo legal e administrativo diante da tentativa de golpe”.

“A propriedade da marca do MBL é pública e notória, reconhecida judicialmente em inúmeros processos”, prossegue o movimento, e a concessão do INPI a Frota, “avessa à legislação de propriedade intelectual”, pode “ser revista pelo próprio INPI administrativamente, bem como pode ser anulada judicialmente, por ordem da Justiçaa Federal”.

Resposta na justiça

O MBL prometeu, ainda que acredite numa revisão do próprio INPI, iniciar uma ação judicial para desfazer a concessão feita pelo órgão ao grupo de Frota. Eles ressaltaram “a irregularidade patente e a má fé” do grupo, “que repetidamente insiste em proclamar sem qualquer pudor a empreitada criminosa para usurpar nossa marca, com o único intuito de causar tumulto, confundir a imprensa e induzir a população a erro”.

O movimento esclarece ainda que os aliados de Alexandre Frota estão respondendo criminalmente por prejuízos causados ao MBL. “Na esfera criminal constam provas de sua recorrente postura de má-fé, bem como ameaças de agressões físicas e morais”, informa, garantindo que o deputado e os aliados Vinicius Aquino e Cleber Teixeira jamais fizeram parte do MBL.

 

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.