fbpx
PUBLICIDADE


Em 2015, Dilma decretou que rompimento de barragem seria ‘desastre natural’

Na ocasião, Ministério da Casa Civil afirmou que medida havia sido editada para incluir possibilidade de resgate do FGTS, mas sofreu críticas de procuradora da República que alertou risco de impunidade

- Publicado no dia
(Foto: Reuters / Pilar Olivares)

Poucos dias após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG), em novembro de 2015, a então presidente Dilma Rousseff (PT) editou um decreto que estabeleceu que o “rompimento ou colapso de barragens” passasse a ser considerado como um desastre natural. [1]

O Ministério da Casa Civil afirmou, na época, que a medida era uma manobra jurídica para que as vítimas pudessem utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que já previa em lei uso em cenário de “necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorrem de desastre natural”. [2][3]


PUBLICIDADE



Especialistas consultados pelo jornal O Globo na ocasião, contudo, criticaram a medida. Entre elas, a subprocuradora Sandra Cureau, que à altura da reportagem atuava na Procuradoria-Geral da República.

“Isso pode ser usado pela Samarco para dizer que não deu causa ao desastre. Isso pode ter reflexo na área penal, também na área cívil. Se foi natural, não é responsabilidade de ninguém. Esse desastre não é natural”, havia observado.

Passados pouco mais mais de três anos da tragédia, um novo rompimento ligado à Vale ocorre em Minas Gerais. Há quem diga que faltou prisão no acidente de 2015.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.