fbpx
PUBLICIDADE


Renan Santos pergunta: ‘a quem interessa matar Fernando Holiday?’

O coordenador do Movimento Brasil Livre está convencido de que a atuação implacável do vereador nas últimas semanas motivou o atentado contra a sua vida

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Pleno News)

Coordenador e estrategista do MBL, Renan Santos comentou nesta sexta-feira (28) o que definiu convictamente como “tentativa de assassinato” contra o vereador Fernando Holiday (DEM-SP), ligado ao movimento. O artigo, publicado no MBL News, tem por título “A quem interessa matar Fernando Holiday?”. [1]

Logo após a votação da Reforma da Previdência local, marcada por tensões com sindicalistas e militantes, a janela da Câmara próxima a Holiday foi alvejada por tiros, de acordo com a perícia. Para descrever o cenário em torno do acontecimento, Renan mencionou que, ao concorrer à presidência da Câmara, Holiday primeiro “desafiou o arranjo PSDB-PT-Centrão”, expondo aos paulistanos o acordo existente entre os políticos locais.


PUBLICIDADE



Ao liderar a luta pela reforma e pelo Escola Sem Partido, Holiday também ganhou “ataques frontais de sindicatos e grupos de pressão de todo o funcionalismo”, exibindo “o mafioso equilíbrio político da Câmara Municipal”. Nada disso, entretanto, se compara “à fria tentativa de assassinar um jovem de 22 anos no exercício de seu mandato”, o que se deve ao “romance promíscuo” entre “a esquerda e o patrimonialismo”, para quem a defesa de seus privilégios “é questão de vida ou morte”.

Renan Santos está certo de que a atuação de Holiday nas últimas semanas, “declarando a morte política de muitos de seus colegas”, está ligada ao que aconteceu, e que “a vida de Fernando e de qualquer parlamentar que ouse desafiar este sistema está em risco”. Concluiu garantindo que Holiday, entre todos os nomes eleitos em 2016, exerce brilhantemente o papel de “fiscalizador disruptivo, que pratica uma boa governança em seu gabinete e é implacável em seu trabalho parlamentar”.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.