fbpx
PUBLICIDADE


Ministro Dias Toffoli suspende liminar de Marco Aurélio e Lula seguirá preso

Decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal frustra expectativas de aliados do ex-presidente Lula, cujos advogados chegaram inclusive a pedir a soltura logo após decisão de Mello

- Publicado no dia
Dias Toffoli (Foto: Evaristo Sá / AFP)

Presidente do Supremo Tribunal Federal, o Ministro Dias Toffoli atendeu a expectativa da sociedade e suspendeu na noite desta quarta-feira (19) a liminar do Ministro Marco Aurélio Mello, que no início da tarde decidiu liberar de prisão presos condenados em segunda instância. Entre os que poderiam ser liberados, estaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. [1]

Na decisão, Toffoli confirmou que o plenário do Supremo Tribunal Federal deverá voltar a julgar a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância no dia 10 de abril.


PUBLICIDADE



Pouco antes da decisão, a juíza Carolina Lebbos, de execuções penais em Curitiba, após provocada a liberar Lula pelos advogados do petista, havia solicitado uma manifestação do Ministério Público Federal em relação à decisão de Marco Aurélio. Aliados do ex-presidente estavam inconformados com o fato de a magistrada não ter soltado imediatamente o político. [2][3]

Posteriormente, foi divulgado que o alto comando militar chegou a fazer uma videoconferência para debater o assunto e, principalmente, as possíveis reações diante de uma eventual soltura de Lula. Já integrantes do futuro governo Jair Bolsonaro evitaram se manifestar ao longo dessa tarde. [4][5]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.