fbpx
PUBLICIDADE

MBL Estudantil é alvo de provocações de entidades estudantis e pede CPI da UNE

Novo braço do Movimento Brasil Livre, lançado no IV Congresso Nacional da entidade realizado no fim de novembro, já desperta provocações de organizações como a UNE e a UJS
Foto da União da Juventude Socialista (Foto: Reprodução/Facebook)
Foto da União da Juventude Socialista foi usada como comparativo com o Congresso do MBL (Foto: Reprodução/Facebook)

O recém-lançado MBL Estudantil, nova ala do Movimento Brasil Livre, já desperta provocações de entidades tradicionais e à esquerda do movimento estudantil brasileiro. Entre eles, a UNE (União Nacional dos Estudantes) e a UJS (União da Juventude Socialista), ambas ligadas direta ou indiretamente ao PCdoB.

Na última quinta-feira (28), a UNE, por exemplo, publicou em suas redes sociais uma imagem valorizando sua história. No texto, afirmou que “quando o MBL nasceu, já tinha décadas de lutas em defesa dos estudantes”, acompanhada da hashtag #UneResiste. [1]

“Não somos um movimento de Facebook. Nós nascemos há 81 anos e fizemos parte de muitas das lutas pela democracia do país. Não vamos recuar!”, disse o texto.





Em imagem parecida, o MBL Estudantil respondeu em suas redes. “Quando o MBL nasceu, a UNE já não representava mais ninguém”, acompanhada da hashtag #CPIdaUneJá. [2]

A União da Juventude Socialista (UJS), por sua vez, decidiu fazer uma comparação estética entre os congressos do MBL e da entidade. Na última terça-feira (25), publicou as fotos de ambos os eventos e a legenda “É muita diferença”. [3]

No evento do MBL, milhares de pessoas apareciam sentadas em um hotel de São Paulo. No evento da UJS, os presentes aparecem amontoadas para foto em um galpão aberto.





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama