PUBLICIDADE


Futuro Ministro da Casa Civil de Bolsonaro era o resquício liberal do DEM

Onyx Lorenzoni manteve o diretório gaúcho do partido alinhado com instituições voltadas à promoção do ideário liberal apesar da orientação nacional de seguir rumo ao centro

- Publicado no dia
Onyx Lorenzoni cortou o bolo da festa dos 40 anos do Instituto Friedrich Naumann, no Rio de Janeiro, em 2013; naquela altura, era uma das poucas lideranças do DEM mais alinhadas ao ideário liberal (Foto: Reprodução/Facebook)

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) é uma exceção de seu partido. Homem forte do futuro governo Jair Bolsonaro, que recebeu o desafio de assumir o mais importante ministério da esplanada (a Casa Civil), o político era um dos poucos que ainda defendiam, ao menos no papel, ideias liberais dentro do Democratas.

É que, ao longo dos últimos 10 anos, a legenda – que, no passado, chamava-se Partido Frente Liberal – decidiu cautelosamente afastar-se do ideário mais liberal e caminhar em direção ao centro, com inspiração na democracia-cristã.

No plano ideológico e de parcerias internacionais, isso significou deixar de lado o apoio do Instituto Friedrich Naumann – organização alemã ligada ao Partido Democrático Liberal, grande apoiadora do movimento liberal no Brasil – para conveniar-se à Fundação Konrad Adenauer, da União Democrata-Alemã, legenda de Angela Merkel.


PUBLICIDADE


O movimento, porém, tinha uma exceção: o diretório gaúcho do DEM, à época liderado por Lorenzoni, e sua juventude partidária.

Na festa dos 40 anos do Instituto Friedrich Naumann no Brasil, comemorado no final de 2013 no consulado alemão no Rio de Janeiro, Onyx Lorenzoni era um dos mais entusiasmados. Devido a importância da instituição no desenvolvimento do movimento liberal no país – na época, ainda esboçando o tamanho que teria hoje -, o encontro reuniu diversos líderes de entidades liberais em ascensão no país.

Entre eles, João Amoêdo, líder do ainda não oficializado Partido Novo; Helio Beltrão, do Instituto Mises Brasil; Fabio Ostermann, na ocasião ligado ao Instituto Liberal do Rio de Janeiro e até Marcel van Hattem, antes de disputar a eleição que mudaria seu destino, em 2014.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.