fbpx
PUBLICIDADE


Frente anticorrupção pode unir deputados de direita e esquerda

A ideia conta com o apoio tanto de lideranças como Randolfe Rodrigues, da Rede, quanto de Vinicius Poit, do NOVO; frente não inclui petistas

- Publicado no dia
Vinicius Poit, do NOVO, integra a Frente (Foto: Reprodução / Youtube)

Referência no combate à corrupção no Brasil, o ex-juiz Sérgio Moro não foi escolhido por acaso pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para o Ministério da Justiça. Mesmo que por não quererem que o governo monopolize os dividendos eleitorais das suas medidas, o fato é que diferentes deputados, da direita à esquerda, estão se mobilizando para uma frente parlamentar anticorrupção. [1]

O objetivo declarado, divulgado em matéria da Folha desta sexta-feira (16), é dar sustentação aos projetos concebidos por Moro. A iniciativa é liderada, entre outros, por Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Luiz Flávio Gomes (PSB-SP), Alessandro Molon (PSB-RJ) e Vinicius Poit (NOVO-RJ), e prometeu convidar Moro e o procurador Deltan Dallagnol, ativista pelo endurecimento na investigação e punição de crimes de corrupção, para sua primeira reunião no próximo mês.


PUBLICIDADE



Randolfe, por exemplo, que já foi do PSOL, disse que é oposição a Bolsonaro, mas as medidas da Transparência Internacional transformadas por Moro em seu programa têm seu apoio e ultrapassam as divisões partidárias. O pacote contém 70 propostas levantadas porque a entidade via ilegalidades nas dez medidas contra a corrupção que tiveram a relatoria de Onyx Lorenzoni (DEM-RS) no Congresso.

Randolfe defendeu que medidas como a escolha do futuro procurador-geral da República por meio de lista tríplice, algo que incomodaria Bolsonaro, também devem ser pautadas. O representante do NOVO, Vinicius Poit, comentou: “Não vai ser fácil aprovar as medidas porque o Congresso continua viciado na prática do toma-lá-dá-cá e os parlamentares não estão interessados em cortar privilégios”. A matéria também dá conta de que os representantes da Frente não contam com o apoio da bancada petista para o esforço conjunto.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.