PUBLICIDADE


Analista político do PSL explica diferenças entre ‘globalismo’ e globalização

Bacharel em Relações Internacionais, Filipe G. Martins foi apontado como um dos principais articuladores que levaram o embaixador Ernesto Araújo, ideologicamente conservador, para comandar o Itamaraty

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução/Visamos)

O analista político Filipe G. Martins, secretário de assuntos internacionais do PSL e considerado uma das personalidades que influenciaram a escolha do embaixador Ernesto Araújo para comandar o Itamaraty, publicou um artigo nesta sexta-feira (16) onde explica as diferenças entre globalismo e globalização. [1][2]

No texto, intitulado de “A nova vergonha da mídia: confundir globalismo com globalização”, Martins observa que globalismo é uma “ideologia que preconiza a construção de um aparato burocrático – de alcance global, centralizador e pouco transparente – capaz de controlar, gerir e guiar os fluxos espontâneos da globalização de acordo com certos projetos de poder”.

Em última instância, o globalismo ainda buscaria “promover a transferência do eixo de poder das nações para um corpo difuso de burocratas cosmopolitas e apátridas, que não respondem às comunidades nacionais”.


PUBLICIDADE



Já a globalização, para o analista político, seria o “fluxo global e espontâneo dos agentes econômicos” e “não necessita da interferência de burocratas” e “funciona melhor na ausência de interferências”.

O artigo, explica Martins, é importante pois “os jornalistas e comentaristas políticos da grande mídia voltaram a protagonizar um espetáculo da ignorância e incultura ao tentar analisar as credenciais ‘anti-globalistas’ do futuro ministro”.

“Confundindo globalismo com globalização, fingiram enxergar — ou tentaram fabricar — um suposto antagonismo entre Ernesto e Paulo Guedes, futuro Ministro da Economia”, escreveu.

Leia o artigo na íntegra no site Senso Incomum clicando aqui.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.