fbpx
PUBLICIDADE

João Amoêdo e Livres se manifestam contra fala de Bolsonaro sobre jornal

Movimento considera a ideia de manipular verbas de acordo com o interesse do governante autoritária e defendeu regulação ligada a níveis de audiência; Amoêdo também defendeu critérios técnicos
Jair Bolsonaro em entrevista ao vivo ao Jornal Nacional criticou o jornal 'Folha de S. Paulo' (Foto: Reprodução/TV Globo)
Jair Bolsonaro em entrevista ao vivo ao Jornal Nacional criticou o jornal ‘Folha de S. Paulo’ (Foto: Reprodução/TV Globo)

Depois de Geraldo Alckmin (PSDB), manifestaram-se também nesta terça-feira (30) contra as declarações de Jair Bolsonaro sobre o jornal Folha de S. Paulo o ex-candidato à presidência da República João Amoêdo (NOVO) e o movimento suprapartidário Livres. [1][2]

Para Amoêdo, a “verba para propaganda oficial do governo deve ser restrita apenas a campanhas de utilidade pública” e “aplicados com critérios objetivos de relevância, e não de forma discricionária, ao gosto do governante”.

Em entrevista ao vivo no Jornal Nacional, Bolsonaro defendeu cortes de anúncios públicos na Folha por considerar que o jornal não faz um bom trabalho jornalístico, citando como exemplos reportagens sobre sua ex-assessora parlamentar Wal e supostas doações de empresários para difusão de mensagens via WhatsApp. [3]





“O dinheiro público não é dinheiro do governante, é do cidadão”, frisou Amoêdo, que conta com mais de 3 milhões de seguidores nas redes sociais.

Já para o Livres, “manipular a publicidade é chantagear a imprensa” e as declarações do presidente eleito são contraditórias como o compromisso de “defender a imprensa livre”.

“Com olhos rigorosos, poderíamos dizer que o presidente eleito está usando uma novilingua, típica das distopias de George Orwell: genericamente, afirma o oposto do que fará de concreto”, diz a nota da organização, que afirma defender regulamentação para o uso dessa verba que reduza o poder dos governantes.

Para o Livres, “a publicidade estatal deve obedecer a critérios puramente técnicos, ligados aos níveis de audiência dos veículos”.





“A ideia de manipular os recursos de acordo com o interesse do governante de plantão é autoritária, pois busca cooptar a mídia através de chantagem financeira. Fazer isso é atuar contra a liberdade de imprensa”, afirmou o movimento.

[irp]

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama