fbpx
PUBLICIDADE

Roberto Motta: eleição de Eduardo Paes tornará o Rio refúgio de petistas

Engenheiro considera que a escolha de liberais e conservadores para Wilson Witzel é natural e frisou que a discussão de se colocar um cidadão comum nos cargos de poder é antiga no movimento
Roberto Motta e Wilson Witzel (Foto: Reprodução/Facebook)
Roberto Motta e Wilson Witzel (Foto: Reprodução/Facebook)
PUBLICIDADE

O engenheiro Roberto Motta, ex-candidato a deputado federal pelo PSC, militante do MBL e, no passado, um dos fundadores do Partido Novo, afirmou ao Boletim da Liberdade que não compreende a razão da divisão dos liberais na eleição ao governo do Rio de Janeiro.

PUBLICIDADE

Ele considera que o ex-juiz federal Wilson Witzel, do qual participa diretamente da campanha ao lado do advogado Bernardo Santoro, diretor jurídico do Instituto Liberal, é o “representante legítimo dos liberais e conservadores” no estado.

“O alinhamento do Witzel com o Bolsonaro é claro e explícito, ao contrário da campanha de Eduardo Paes que, além de contar com o endosso de candidatos de esquerda, tem longo passado com o petismo”, afirmou Motta, para quem a “eventual vitória de Eduardo Paes pode fazer com que o Rio de Janeiro se torne um refúgio de todos os petistas que serão faxinados da administração federal”.

PUBLICIDADE

Confira, abaixo, os principais pontos da conversa que Motta, que é ativista em segurança pública, trouxe ao Boletim:

Falta de experiência de Witzel

“Era exatamente o mesmo argumento utilizado quando a [ex-juíza] Denise Frossard concorreu contra Sérgio Cabral [em 2006]. De um lado, você tinha um juiz e, do outro lado, um político super habilidoso. Olha o que aconteceu com o nosso estado. Imagina como a nossa história teria sido diferente se a Denise tivesse sido eleita. Esse discurso da experiência é uma falácia porque todo político no executivo tem uma primeira vez. Na primeira eleição do Eduardo Paes, ele nunca tinha sido prefeito antes. Na primeira eleição do Sérgio Cabral, também.

O Wilson tem uma carreira de 16 anos na Justiça Federal, uma carreira bem sucedida, foi defensor público, funcionário da prefeitura e fuzileiro naval. Para todas essas funções, precisou passar por um rigoroso processo seletivo, fazendo prova. Quem conhece o Wilson pessoalmente sabe que ele tem uma inteligência muito acima da média. Uma capacidade de trabalho gigantesca

PUBLICIDADE

Aliás, nós, liberais, estamos discutindo colocar pessoas comuns na política há dez anos. É justamente isso o que procurávamos, alguém sem vícios, um cidadão comum, com trabalho demonstrado, e dar uma chance a ele na política. Era justamente esse o discurso que originou o Partido Novo. Ou seja, selecionar a pessoa pela capacidade de executor, administrador, e não de político.”

O ex-juiz federal Wilson Witzel em campanha, no Rio de Janeiro (Foto: Divulgação)

Declaração de que prenderia Paes em debate

“Se a gente vai julgar as pessoas por uma frase que elas disseram, eu sugiro que julguem o Eduardo Paes por aquela frase que ele disse que deve a carreira dele ao Lula e ao Cabral, que foi vazada com a ligação liberada pelo [juiz Sérgio] Moro. Ou até aquela frase quando ele afirmou que era um soldado do Lula. Vamos ver qual é a frase mais importante.

Vale lembrar que o Wilson Witzel não é um político profissional. Não tem milhões de horas de mídia training. Não participou de centenas de debates antes. Ele simplesmente foi um cidadão comum, que exerceu uma profissão altamente honrada – onde a honra é muito importante -, e teve sua honra atacada. Reagiu da forma que vários nós teríamos reagido. Colocar isso no mesmo peso dessas declarações do Eduardo Paes é errado.

PUBLICIDADE

Pela função que exerceu de juiz, tem sim uma postura mais séria. Não é um populista, tampouco um político profissional que sabe a hora de dar tchauzinho, sorrir e outras coisas que os políticos profissionais fazem”

Para Roberto Motta, Wilson Witzel é comparado à eleição de 2006 onde Sérgio Cabral concorreu pela primeira vez. E contra uma juíza: Denise Frossard. Na foto, Wilson Witzel e Roberto Motta, que estão juntos na campanha. (Foto: Reprodução/Facebook)

Segurança Pública

“O Wilson é o único que tem propostas diferentes sobre segurança pública. Tudo o que o Eduardo Paes diz sobre segurança pública são platitudes, ao melhor estilo do Instituto Igarapé. Não há inovação, nem posicionamento moral. A crise na segurança pública do Brasil começa com uma questão moral: a decisão da esquerda e do PT de colocar o criminoso numa posição protegida e demonizar a polícia.

Uma das ideias dele, por exemplo, é a extinção do formato atual da secretaria de segurança pública, transformando-a em algo menor e diretamente ligada ao governador. Outra é criar a [Operação] Lava Jato carioca, que irá em cima da lavagem de dinheiro, que funciona através de um mecanismo com pessoas altamente visíveis e poderosas na sociedade carioca.

PUBLICIDADE

Quem vê esses seriados de televisão como Narcos Breaking Bad já sabe que a grande questão do tráfico de drogas é como se lava dinheiro. O tráfico de drogas gera uma quantidade gigantesca de dinheiro, que depois precisa entrar no sistema formal de alguma forma. Com uma força-tarefa para investigar isso, será quebrada uma das pernas do tráfico.”

Autoritarismo policial com o excludente de ilicitude

“Essa discussão vem de um posicionamento do Jair Bolsonaro. Isso significa apenas a reversão de uma situação atual. Hoje, existe o excludente de ilicitude para o criminoso, algo embutido na legislação penal, pelo Judiciário e pelo Ministério Público. Houve um caso de um policial, em outro estado, em que o bandido atirou no policial e a arma falhou. O policial atirou, matou o bandido, e o MP entrou com uma representação contra o policial porque a arma havia falhado. Isso não é exceção.

As pessoas que falam isso ignoram que, anualmente, morrem 63 mil pessoas – dos quais apenas 8% dos casos são esclarecidos. As pessoas que reclamam das eventuais mortes após o excludente de ilicitude são cegas quanto ao total de assassinados hoje. Só na era PT, somando, dá quase 1 milhão de pessoas [assassinadas]. A preocupação de organizações como o Instituto Igarapé, o Sou da Paz e o Viva Rio, que – aliás – apoiam Eduardo Paes, porém, é apenas com o excludente de ilicitude.

PUBLICIDADE

A posição do Wilson é clara: ele não tolera nenhum abuso de policial. A campanha dele também é balizada pelo respeito aos direitos humanos. Mas ele é só atacado: uma vez, falou que defende do teste de integridade. O teste de integridade é uma demonstração clara da preocupação dele em manter os bons servidores públicos e as forças de segurança alertas ao fato de que devem obedecer a lei. E o que a imprensa fez? Rebatizou o teste de integridade, defendido por ele, de “pegadinha” e usou para atacar o Wilson.”

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?