fbpx
PUBLICIDADE

Em rádio, Ciro se compara a Churchill no discurso contra ‘fascismo’ de Bolsonaro

Ciro Gomes fez acentuadas críticas ao pré-candidato à presidência da república Jair Bolsonaro (PSL), associando o líder nas pesquisas de intenção de voto a extremismo, militarismo e radicalismo
Ciro Gomes e Winston Churchill (Fotos: Mídia Bahia/Acervo)
Ciro Gomes e Winston Churchill (Fotos: Mídia Bahia/Acervo)
PUBLICIDADE

O pré-candidato à presidência da república Ciro Gomes (PDT) comparou o seu discurso “contra o fascismo” ao do ex-primeiro ministro britânico Winston Churchill, que liderou a Inglaterra durante a Segunda Guerra Mundial. Em entrevista recente a um programa de rádio, Gomes tocou no assunto quando foi instado a comentar sobre Jair Bolsonaro (PSL), pré-candidato que lidera as pesquisas de intenção de voto. [1]

PUBLICIDADE

Com frases firmes, Ciro criticou o deputado por “não ter experiência nenhuma”, ter chamado Eduardo Cunha de “herói” e por nunca ter levantado a voz contra lideranças políticas do Rio de Janeiro que hoje estão condenadas por corrupção.

Ciro também disse que Bolsonaro “espalha preconceito contra negros, contra a mulher, contra pobre e contra gay”, garantiu que “vai enfrentar o fascismo” e criticou Jair Bolsonaro por não ir a diversos debates.

PUBLICIDADE

“Se [Bolsonaro] fosse homem mesmo, ele iria para o debate. Deveríamos ter vergonha de defender um candidato que não tem coragem de debater com os colegas. Eu estou indo em quase todos. Nós tivemos um debate no Instituto Liberal [N.E.: na realidade, Instituto de Estudos Empresariais, organizador do Fórum da Liberdade], um ambiente absolutamente conservador no Rio Grande do Sul, e ele não foi”, disse Ciro, citando em seguida outros encontros dos quais o pré-candidato do PSL se ausentou.

Perguntado pelo radialista se Ciro teria preconceito contra Jair Bolsonaro, o pedetista afirmou que tem “preconceito contra o fascismo”.

“Quem é fascista comigo tem que ser enfrentado com dureza. Foi assim que Churchill fez com Hitler. O Chamberlain lá na Inglaterra alisou. O Stalin precisava de um tempo para se arrumar e alisou. Os próprios americanos deixaram o Hitler se acontecer (sic) e mais de 40 milhões de pessoas foram mortas só pela raça e só por serem pobres”.

Por fim, Ciro concluiu que é preciso “matar esse tipo de fenômeno do extremismo, do militarismo, do radicalismo e da cultura política da violência pela raiz”.

PUBLICIDADE

+ ‘Acima da política, existe uma nação que nos une’, diz autor de livro sobre discursos de Churchill

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama