SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Tecnologia nas eleições: aplicativos prometem ajudar a decidir o voto

Novidades prometem impactar as eleições de 2018 trazendo até o eleitor as informações que os políticos querem – e não querem – que eles acessem

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Detector de Corrupção)

Um dos grandes debates da atualidade é a inserção da tecnologia no mundo político. De que maneira as redes sociais, a Internet e os aplicativos podem influenciar nos rumos de uma sociedade? Essas questões ganham, às vésperas das eleições de 2018, uma novidade no Brasil: pelo menos duas propostas de aplicativos podem trazer até o eleitor o que ele quer saber sobre os candidatos antes de depositar seu voto na urna.

Um deles já está no ar – e os políticos não devem gostar muito do que ele vai oferecer. O “Detector de Corruptos” – que pode ser baixado aqui – é um aplicativo gratuito que utiliza apenas o reconhecimento facial para detectar todos os processos de corrupção a que cada político responde na Justiça. O usuário só precisa dispor de um smartphone.


PUBLICIDADE



Basta fotografar o rosto do político em questão e submeter a foto ao aplicativo e logo todos os processos aparecerão. Não é só isso: funciona onde o político estiver. Pode ser usada uma imagem de comerciais de TV, debates, santinhos, cartazes, anúncios de jornal, vídeos na Internet e até comícios: o reconhecimento facial sempre funcionará.

Já o outro aplicativo ainda é uma possibilidade, levantada pelo próprio Luciano Huck, apresentador da TV Globo. Na última sexta-feira (11), em evento no hotel Palácio Tangará, em São Paulo, ele comentou que cerca de 20 movimentos cívicos interessados na renovação política estão desenvolvendo uma plataforma digital para auxiliar os eleitores na escolha dos candidatos. A partir de respostas dos usuários, a plataforma encaminhará para candidatos de partidos menores e “novos” que se aproximem mais de suas ideias. Algumas matérias jornalísticas estão chamando a ideia de “Tinder” político, em referência ao famoso aplicativo para relacionamentos. [1]

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail




Leia também