fbpx
PUBLICIDADE


Site ‘Ceticismo Político’ volta ao ar para defender a liberdade de expressão

O novo site de Luciano Ayan se volta a ensinar o método para desvendar o viés censor das agências de checagem de notícias nas redes sociais

- Publicado no dia
Site volta ao ar em formato ligeiramente modificado e nova proposta (Foto: Reprodução / Ceticismo Político)

No último mês de março, a figura do analista político Luciano Ayan, pseudônimo de Carlos Afonso, ficou em evidência devido a uma polêmica relacionada ao assassinato da vereadora do PSOL, Marielle Franco. Grandes veículos de comunicação associaram seu perfil e seu site, o Ceticismo Político, à disseminação de “Fake News” sobre a vereadora, e sua página e seu perfil no Facebook foram desativados. Em entrevista ao Boletim, diante dos fatos, ele afirmou que não pretendia retornar à rede social.

No último dia 6, porém, Ayan voltou a atualizar o Ceticismo, com estética ligeiramente modificada, e disse na seção de comentários que está cogitando um retorno ao Facebook. “Ainda estou avaliando”, respondeu a uma leitora. “O foco será nos assinantes da newsletter, pois o conteúdo será bastante técnico”. O “conteúdo técnico” a que ele se refere é uma nova metodologia para combater a censura nas redes sociais. [1]


PUBLICIDADE



Na publicação em que anuncia o retorno, ele diz que aproveitou o período de quase 50 dias de ausência da Internet para coletar evidências contra seus inimigos e “desenvolver um método amplo para que pessoas que atuem pela censura pudessem ser expostas”. Esse método, a seu ver, será uma ferramenta indispensável para a nova “missão da direita”, que deve ser utilizar a guerra política para triunfar “na batalha mais importante dos últimos tempos, que é a luta pela liberdade de expressão nas redes”.

Embora reconheça que alguns casos demandariam recurso à esfera judicial, o sistema desenvolvido por Ayan, que ele pretende apresentar em detalhes em seu site a partir de agora, visa “checar os checadores”, evidenciando e comprovando o viés de suas atitudes e a prática da censura, incorporando elementos de Auditoria de Sistemas, transferidos para a análise comportamental. Ao anunciar sua nova tarefa de conscientização e mobilização, Ayan acrescentou que um “setor da direita” também estaria “fornecendo as narrativas para que a extrema esquerda na mídia pudesse atuar mais livremente”.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.