fbpx
PUBLICIDADE


Ofício de governo do PCdoB no Maranhão pede monitoramento de opositores

O texto está datado do último dia 19 de abril e determina que os policiais informem ao atual governador Flávio Dino e outros políticos da situação quem pode “causar embaraços”

- Publicado no dia
Flávio Dino (Foto: Reprodução / Atual7)

Durante a disputa eleitoral de 2014 ao governo maranhense, o candidato do Partido Comunista do Brasil, o professor Flávio Dino, havia chamado a atenção ao, paradoxalmente, defender que o estado precisava de um “choque de capitalismo”. Porém, uma notícia divulgada nesta sexta-feira (20), já no último ano de seu mandato, provocou calafrios em quem teme a natureza antidemocrática do comunismo. [1]

Uma circular interna do governo, datada de 19 de abril e partindo de Barra do Corda com foco para toda a região, foi encaminhada a policiais militares de cidades do interior determinando que levantassem informações sobre o comportamento de opositores durante o período eleitoral. O texto, condenado por diversos partidos, pede resposta em caráter de urgência e manda explicitamente que os policiais informem aos políticos da situação todos os nomes que podem “causar embaraços no pleito local”.


PUBLICIDADE



O texto não especifica o que seriam esses embaraços. O secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, apressou-se em condenar o conteúdo, em entrevista à Rádio Mirante AM, revelando que nem ele, nem o comandante geral, Coronel Jorge Luongo, foram consultados sobre o assunto. “É um erro gravíssimo”, frisou, e disse que determinou a exoneração dos responsáveis. “Não tem como permanecer na direção de um controle de um processo eleitoral quem emite uma nota dessa. Somos uma corporação que tem disciplina e hierarquia. Qualquer determinação de normas e orientações gerais tem que partir, como o nome diz, de um comando geral”. O documento é assinado pelo Tenente-Coronel Emerson Farias Costa, Chefe do Estado Maior do Policiamento do Interior.

O próprio Flávio Dino já reagiu à divulgação do ofício. Disse que mandou “demitir o autor do papel disparatado” e apurar o motivo da assinatura. Ele alega que seus adversários, principalmente o emedebista José Sarney, estão tentando intimidá-lo. O ex-governador e ex-presidente da República estaria “desesperado para voltar ao poder”. [2]

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.