fbpx
PUBLICIDADE


Foi mal: regulação do Uber no Rio ameaça liberdade econômica

No decreto do prefeito Marcelo Crivella (PRB), estão dispostas regras que incluem desde a identificação dos aplicativos no próprio carro à prerrogativa de a Prefeitura ‘fiscalizar e reprimir práticas desleais e abusivas’

- Publicado no dia
Taxistas realizam protesto contra o aplicativo Uber no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro (Foto: Ellan Lustosa / Estadão Conteúdo)

Os aplicativos de transporte, entre eles o Uber, comemoraram antes da hora a regulação aprovada pelo Congresso Nacional. Em algumas cidades, como o Rio de Janeiro, as regras locais que estão sendo decretadas têm sido consideravelmente restritivas à atividade.

Em decreto publicado na última quarta-feira (11), o prefeito Marcelo Crivella (PRB) instituiu normas como a obrigatoriedade de os carros terem “identificação” dos aplicativos pelos quais operam, acabando, em parte, com a discrição das corridas – uma das entregas de valor para o passageiro. [1]

Além disso, sem especificar, criou a possibilidade de o governo “fiscalizar e reprimir práticas desleais e abusivas” na fixação de preços.


PUBLICIDADE



No decreto do Rio de Janeiro, outra medida chama atenção. Ela obriga que os aplicativos de transporte mantenham “unidade física para atendimento e operação do serviço”, “compatível com o tamanho de sua operação e em local de fácil acesso”. Mais uma barreira de entrada para novas startups que pretendam entrar no setor.

Para Pedro Duarte, ativista pela liberdade e ex-coordenador do Students for Liberty Brasil, a regulamentação da Prefeitura do Rio “foi péssima”.

“Arbitrariamente, ela entra em questões que não deveria, como obrigação de sede física, fornecimento de dados ao Município, cursinho credenciado pela Prefeitura, características do carro, e por aí vai. E pior: deixa meia dúzia de termos abertos que poderão ser utilizados ao bel prazer da Prefeitura”, avaliou, complementando que, com essas regras, “milhares de empregos podem ser colocados em risco”

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.