fbpx
PUBLICIDADE

Instituto Mercado Popular critica texto de Alexandre Borges sobre imigração

Analista e publicitário fez apreciação crítica da atualização do Estatuto do Estrangeiro e foi contestado pelos diretores da instituição
(Foto: Reprodução / Acredite ou não)
(Foto: Reprodução / Acredite ou não)
PUBLICIDADE

O tema imigração, sempre propulsor de polêmicas políticas, ensejou uma crítica do Instituto Mercado Popular ao publicitário e analista Alexandre Borges, com base em artigo que ele escreveu para a Folha de S. Paulo e foi publicado no último dia 23. Na resposta crítica, o Instituto chama Borges de “polemista conservador” e “ex-integrante da entourage de Jair Bolsonaro”.

PUBLICIDADE

Em seu artigo, Alexandre comentou a atualização do Estatuto do Estrangeiro no Brasil, o que, segundo ele, foi feito com “um entendimento pouco iluminado sobre o que está na essência de uma política inteligente e responsável de migração”. A interpretação de Borges é de que o Estatuto promete benefícios inviáveis aos estrangeiros, que “não cumprimos nem sequer para nós mesmos”. Ele citou o exemplo de um camaronês condenado por tráfico de drogas, protegido da extradição sentenciada desde 2010 por ter tido um filho no Brasil, graças a uma liminar do ministro do STF Marco Aurélio Mello alicerçada nas inovações do Estatuto. [1]

“Malabaristas intelectuais costumam torcer dados até que confessem que todo fluxo migratório é positivo, desconsiderando o momento histórico, além do cenário social e econômico local em cada caso”, pontuou Borges. “Imigrantes costumam formar um contingente vibrante e dinâmico de indivíduos criativos e energéticos que sonham com uma nova vida com mais oportunidades, mas é isso que oferecemos fora dos discursos e das alegadas boas intenções?”.

PUBLICIDADE

A crítica

Para o Instituto Mercado Popular, no entanto, a análise de Borges se concentraria em sustentar que os imigrantes devem ser rejeitados para que os brasileiros não sejam “forçados repentinamente a disputar empregos com multidões de novos cidadãos”, havendo, a seu ver, “diversas evidências” em contrário a esse raciocínio. O Instituto sustenta que imigrantes aumentam a demanda por empregos, bem como o consumo e a renda, sendo “significativamente mais propensos a serem empreendedores e inventores”. [2]

O Instituto Mercado Popular destaca que “foi atrás dos dados” para justificar suas posições, afirmando que o número de imigrantes no Brasil é muito diminuto. “No texto, Alexandre ironiza o uso de dados estatísticos para discutir a questão, associando-os ao elitismo. A semelhança com o discurso da esquerda brasileira sobre previdência não parece mera coincidência”. O comentário encerra de maneira irônica, mencionando que Alexandre “assina como diretor do Instituto Liberal”, e relaciona um gráfico mostrando que, em 2010, imigrantes perfaziam 0,3 % da população brasileira, com base em cálculos feitos a partir de dados do IBGE.

PUBLICIDADE

O Boletim publicou uma matéria especial em maio sobre como essa questão divide liberais e conservadores. Confira aqui.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?