fbpx
PUBLICIDADE

‘PSL foi o único partido que aceitou ingressar com a ação’, relata Carvalhosa

Em transmissão ao vivo no Facebook, o também advogado Rodrigo Saraiva Marinho explicou a ação, mas disse que todos os partidos usam o fundo partidário e, por isso, é 'burrice' abrir mão do recurso agora
Modesto Carvalhosa (Foto: Reprodução/Facebook)
Foto: Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

O jurista Modesto Carvalhosa, entusiasta das candidaturas avulsas, disse em vídeo ter procurado todos os partidos brasileiros para dar entrada em uma ação contra o projeto de lei que implementou o “Fundão Eleitoral”. Segundo ele, apenas o PSL aceitou assinar a ADIN.

PUBLICIDADE

“Entre 35 partidos, [o PSL] foi o único que aceitou ingressar com uma medida contra esse […] assalto aos cofres públicos feitos pelos partidos políticos que dominam o Brasil”, desabafou o jurista, elogiando o deputado federal Luciano Bivar (PSL/PE). O Partido Novo não poderia ter entrado com a ação pois, de acordo com a Constituição Federal, não possui representatividade no Congresso Nacional.

Abrir mão do fundo partidário agora é “burrice”, diz Marinho

PUBLICIDADE

Leia também:  Ministro do STF defende voto de confiança à 'boa fé' de Jair Bolsonaro

Em transmissão ao vivo na página do partido no final da tarde desta terça-feira (17) para falar sobre a medida, o advogado Rodrigo Saraiva Marinho, líder da corrente Livres no Ceará, reafirmou que o partido é contrário ao “Fundão Eleitoral” e também ao Fundo Partidário.

“A renovação do PSL é totalmente contrária à ideia de Fundo Partidário. Nós acreditamos no financiamento voluntário”, esclareceu, deixando claro porém que considera “burrice” abrir mão desses recursos “enquanto todos os partidos usam”.

“Nós vamos entrar no jogo e mudar as regras do jogo. Não adianta a gente ser mais real do que o rei agora e querer se antecipar a isso. Na minha visão, vamos usar os recursos que nos cabem hoje e vamos entrar dentro do parlamento para acabar com esse tipo de recurso”, se aprofundou.

Leia também:  Com base em parecer jurídico, Pacheco recusa impeachment de Moraes

Questionado se o NOVO não usaria o fundo partidário, Marinho, porém, rebateu. “O NOVO não tem nenhum parlamentar dentro do Congresso Nacional. O NOVO usa outras coisas, mas eu não vou entrar no mérito aqui do que ele usa”. Mais tarde, afirmou que o NOVO “tem outras situações”, mas que não cabia a ele “agora estar destacando o que o NOVO usa do dinheiro público”.

PUBLICIDADE


Editado às 17h14 do dia 18/10: A fim de evitar interpretações erradas de declaração de Modesto Carvalhosa, incluímos a informação de que, de acordo com a Constituição, o NOVO não poderia ter ingressado com a ADIN por não ter representação no Congresso.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama