fbpx
PUBLICIDADE

Privatização dos Correios pode ocorrer ainda no governo Temer, diz Moreira

De acordo com o Ministro-Chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, estariam sendo feitos estudos "com muito cuidado" para saber se a privatização pode ser uma saída para a debilitada estatal postal

Foto: Reprodução / Facebook

O ministro Moreira Franco anunciou em Nova York nesta quinta-feira (21) uma notícia muito esperada pelos liberais: que a privatização dos Correios está em estudo e pode ser adicionada ao pacote de privatizações do governo Temer.

A informação, publicada originalmente pelo portal da revista Exame, diz ainda que Franco citou a complicada situação financeira da companhia para justificar a venda. “A situação financeira dos Correios, pelas informações que o [Ministério do] Planejamento tem e nos passa, é muito difícil. Até porque, do ponto de vista tecnológico, há quanto tempo você não manda telegrama? As pessoas perderam o hábito do uso da carta”, teria dito o ministro.

A notícia, porém, não agradou a todos. A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect) teria se irritado com o fato de o governo estar cogitando privatizar a estatal. A mesma Fentect está liderando uma greve de funcionários que pedem um reajuste salarial de 8%.





Em fevereiro, em entrevista concedida ao Boletim da Liberdade, o advogado Rodrigo Saraiva Marinho, diretor de operações da Rede Liberdade, salientou que a privatização dos Correios seria “o objetivo imediato” da entidade. “A Rede Liberdade é um desafio maior de congregar interesses e vontades diversas em uma agenda comum, algum objetivo direcionado. O objetivo imediato da Rede é conseguir privatizar os Correios, além de quebrar o monopólio; temos esse foco nessa primeira gestão”, afirmou na ocasião.





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama