Privatização dos Correios pode ocorrer ainda no governo Temer, diz Moreira                 Iniciativa quer revogar lei que fez de Paulo Freire 'patrono da educação brasileira'                 'Doria adotou a postura de um político tradicional', observa Amoêdo, do NOVO                 Fernando Holiday, do MBL, se manifesta sobre a decisão que permite a 'cura gay'                 Quadro de Leo Lins, no 'The Noite', debate de maneira irreverente o desarmamento                 Escola Austríaca é tema de simpósio gratuito em Belo Horizonte                 Evento no DF debaterá política, economia e cultura por um viés liberal                 Projeto 'Caos Planejado' lança concurso de artigos com prêmio em dinheiro                 MBL venceu outros movimentos populares de rua, aponta 'Estadão'                 Psicólogos devem ter liberdade para oferecerem a 'cura gay'? Vote e opine                 General admite possibilidade de intervenção militar no país e gera reações                 Brasil Paralelo lança primeiro episódio da nova série e revela origem de Portugal                 Roberto Motta diz que Kim Kataguiri é xingado na rua e já precisou de escolta                 Canal 'Quem somos nós' cria Playlist com comentários sobre a 'Nova Direita'                 Oscar Maroni quer ser presidente e defende liberdade econômica                 Spotniks anuncia que está selecionando novos redatores                 Milo Yiannopoulos replica vídeo legendado do canal Mamãe Falei                 Projeto que analisa páginas de política na Internet mapeia a direita virtual                 Marcel Van Hattem divulga nota do Ministério Público sobre caso Santander                 Arthur do Val é agredido em manifestação contra "censura do MBL"                 Diplomata Gustavo Maulstach assume direção tecnológica no PSL/Livres                 NOVO comemora dois anos de registro no TSE com vídeo institucional: assista                 Cinco sugestões de textos que vale a pena ler nesse final de semana                 Bernardo Santoro rotula notícia sobre Bolsonaro como "fake news"                 IFL de Belo Horizonte realiza 8º Fórum Liberdade e Democracia                 Empresário e palestrante famoso se junta ao PSL/Livres em eventos no Rio                 NOVO abre até outubro segundo processo seletivo para candidatos em 2018                 Doria defende abertamente privatização da Petrobras e fusão da Caixa com o BB                 Ouça o direito de resposta do MBL em rádio após ataque agressivo de locutor                 Os desafios para candidatos liberais nas eleições, por Priscila Chammas



Livre imigração: como liberais e conservadores enxergam a polêmica da atualidade

Em matéria especial, o Boletim reuniu alguns posicionamentos no ecossistema pró-liberdade sobre esse ponto de tensão entre partidos políticos e influenciadores

- Publicado no dia
Refugiados do Oriente Médio (Foto: Reprodução / Politize!)
Refugiados do Oriente Médio (Foto: Reprodução / Politize!)

Liberdade. Uma palavrinha poderosa que a maioria das instituições e influenciadores de orientação liberal, libertária ou conservadora acalenta com respeito e alguma dose de fervor. Feliz ou infelizmente, também, uma palavrinha que, aplicada a situações específicas, suscita as mais acaloradas divergências. Um desses casos é a desafiadora problemática da imigração.

No último dia 6, em sua página pública no Facebook, o professor de Direito e ex-candidato a deputado federal do Rio, também um antigo articulista do Instituto Liberal, Rodrigo Mezzomo, se manifestou sobre algumas bandeiras consideradas por ele como “de esquerda” e disse que quem as sustenta estaria convidado a se retirar de sua lista de seguidores. “Vá procurar os seus”, ele concluiu, “Aqui não é seu lugar”. Entre essas bandeiras estavam a defesa de “livres fronteiras para imigração” e o “globalismo” – do qual a tese das fronteiras abertas seria parte integrante.

No outro lado da questão, Carlos Goés, diretor do Instituto Mercado Popular, manifestou-se em seu perfil pessoal, quando anunciou sua filiação ao Livres, a corrente renovadora do PSL,  alegando que aderia à filosofia do partido de “livre fluxo de bens, capitais, pessoas, ideias, ideais e amores”. Essa adesão apaixonada e ampla à “liberdade” como princípio maior envolveria também a “livre imigração”, parte integrante do conjunto de postulados que configurariam uma “sociedade aberta, descentralizada e de mercado”. Nos comentários da publicação, Góes explicitou suas diferenças em relação à outra legenda que procura concentrar o pensamento liberal na política partidária, o Partido Novo: “um pouco velho, pois liberdade não vem em partes”, diz ele. Acrescenta ainda: “dois pontos chaves para mim: não debatem guerra às drogas, são contra liberdade migratória”.

A migração é um tema que pulula, diante da crise de refugiados que se movem para a Europa – principalmente em consequência da guerra na Síria. Correntes de partidos de diferentes tendências na Europa bradam contra o que consideram uma “invasão islâmica”, perigosa para a perpetuação da cultura ocidental. Seus adversários lhes atribuem a pecha de “populistas” ou nacionalistas doentios. No Brasil, a Lei de Migração aprovada no Senado, sob o patrocínio do ministro Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), despertou novamente a discussão que já é tradicional motivo de rusgas dentro do ecossistema pró-liberdade. Quais as opiniões e teorias que circulam nesse meio sobre o assunto? É o que o Boletim tenta sintetizar nesta matéria especial.

O choque entre os partidos

O Partido Novo e o PSL/Livres – o primeiro, um partido completamente inédito registrado recentemente, o segundo um esforço novo de transformação de um partido antigo – são duas legendas que polarizam a atração de novos quadros de teor liberal. A posição de Carlos Góes já deixou claro que os dois têm diferentes abordagens sobre o tema.

Do ponto de vista ideológico, o Novo não firma posição definitiva sobre determinados temas porque tem uma amplitude maior – algo que Góes enxerga como um defeito. Isso significa que existem filiados com tendências diversas, desde que assumam a coerência com determinados princípios gerais. Com relação à imigração, o advogado e suplente de vereador Alexandre Freitas publicou um artigo no site oficial do Novo no último dia 24 de abril – com a devida ressalva de que “Os textos refletem a opinião do autor e não necessariamente do Partido Novo”.

Em seu artigo, Alexandre já começa dizendo que “abrir as porteiras do Brasil” não “é nada bom”, em referência especificamente ao projeto de lei defendido por Aloysio Nunes. A lei, a seu ver, “só perde em utopia para a nossa Constituição” e “quer garantir aos imigrantes e estrangeiros residentes de fronteira todos os direitos sociais que são garantidos aos brasileiros natos e naturalizados”, estendendo alguns deles ainda “aos turistas / visitantes”, o que seria “catastrófico” para as contas públicas. A proposta, em sua opinião, é “populista, globalista e demagógica”, atendendo apenas a “interesses políticos”.

Por outro lado, o Livres, em suas redes sociais, se manifesta de forma amplamente favorável às medidas de imigração. O partido ressalta sua convicção em que a nova legislação é positiva, permitindo a legalização de estrangeiros com “menos burocracia” e o seu “acesso aos serviços públicos”. Ao contrário de Alexandre, os membros do Livres acreditam que os imigrantes, na verdade, “também bancam o país”. Isso porque eles afirmam que mesmo os imigrantes ilegais pagam muitos tributos, já que no Brasil “65 % do volume total que pagamos em impostos estão embutidos no consumo”, e eles precisam consumir como qualquer pessoa. O Livres acredita também que a lei é cautelosa em conter a vinda de eventuais criminosos para o país, negando autorização de residência a estrangeiro condenado criminalmente.  “A circulação de pessoas e ideias e o acolhimento de indivíduos honestos em busca de melhores condições de vida são pilares fundamentais para construção de uma sociedade livre”, finalizam.

Aloysio Nunes Ferreira, Ministro das Relações Exteriores no governo Temer, apoia a nova Lei de Migração (Foto: Divulgação / PSDB)
Aloysio Nunes Ferreira, Ministro das Relações Exteriores no governo Temer, apoia a nova Lei de Migração (Foto: Divulgação / PSDB)

O globalismo e a invasão islâmica: a atitude conservadora

Algumas correntes de opinião mais próximas ao conservadorismo costumam externar posicionamento divergente, transportando suas reflexões, em especial, para o contexto europeu. Acreditam que o multiculturalismo é, em alguma medida, uma ingenuidade, e que é preciso tomar medidas para evitar que a cultura ocidental – e a segurança pública também – sejam ameaçadas pelo extremismo islâmico.

O publicitário e comentarista político Alexandre Borges, por exemplo, diz que a mentalidade de “portas abertas” significa “brincar de importar o conflito do Oriente Médio para cá”, com “a sempre prestimosa ajuda da imprensa-hipster-lacradora”. Ele fez referência a um caso em que o dono de um restaurante “palestino” em São Paulo foi preso envolvido num atentado à bomba que atingiu uma “manifestação pacífica contra a lei de imigração”.

Seu amigo, o economista e blogueiro Rodrigo Constantino, hoje na Gazeta do Povo, comenta que, definindo-se como liberal, moveu-se gradualmente em uma direção mais conservadora. Contudo, já em 2007, ele introduzia algumas reflexões críticas à ideia de uma completa e incondicional defesa da livre imigração, notadamente associada aos programas assistencialistas do Welfare State. O debate se liga a um conceito muito referenciado internacionalmente e, no Brasil, em especial, pelo filósofo paulista Olavo de Carvalho: o globalismo.

Em vídeo que publicou no Youtube, Constantino explica o globalismo como um esquema de fortalecimento de instituições supranacionais, prontas a ditar regras a diferentes países que vão desde a economia até, justamente, a migração. Portanto, para ele, é simplista e errôneo acreditar que o “globalismo, controlado por uma patota”, seja a mesma coisa que a “globalização”, que ele defende e sempre defendeu. Para os defensores dessa tese, a orientação centralizada que avança sobre as soberanias nacionais está facilitando a recepção exagerada de migrantes do Oriente, cujas preferências culturais criam conflitos perigosos e não se sujeitam aos figurinos da identidade nacional.

 

Navio de imigrantes (Foto: Reprodução / Wikipedia)
Navio de imigrantes (Foto: Reprodução / Wikipedia)

A questão Bolsonaro

Em mais uma de suas colocações alheias ao politicamente correto, o parlamentar, cotado para presidenciável em 2018, afirmou que “o Brasil é a nossa casa” e não podemos fazer dele “a casa da mãe Joana”. Sobre a entrada de imigrantes e refugiados, ele sustentou que “é lógico que devemos ter compaixão por essas pessoas, mas é preciso ter controle, porque junto com eles vem uma minoria que é a escória e o preço pode ser muito alto para nos livrarmos dessa escória no futuro”.

Ostermann retrucou, ressaltando que o Brasil “é um país de imigrantes”. Segundo ele, seus antepassados, ao chegarem da Alemanha e da Itália, também eram “considerados a escória, o dejeto do povo europeu, que não tinham condições de se manter lá e vieram com a roupa do corpo”. Porém, de acordo com o relato do Infomoney, o ex-candidato a prefeito pelo Livres também não defendeu uma liberação total e irrestrita da imigração, enfatizando ainda que concorda com a necessidade de “corrigir os incentivos perversos do sistema, que possibilitam que pessoas simplesmente vivam aqui às custas dele”.

O debate sobre o assunto, como se pode ver, vai longe. Internacionalmente e nacionalmente, dentro ou fora do ecossistema pró-liberdade, essa é uma questão repleta de complexidades e dilemas, que conversa com os dramas mais profundos da atualidade. A unanimidade é a seguinte: seja qual for a melhor resposta a esse desafio, aquela que se adotar dirá muito do futuro a ser aguardado, como nação e como humanidade.

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também
Close