“A CLT é ótima, mas não mexam no meu PJ!” - Priscila Chammas - Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

“A CLT é ótima, mas não mexam no meu PJ!”

11.10.2019 07:56

Em maio de 2017, artistas globais super engajados tiravam suas carteiras de trabalho do fundo da gaveta para protestarem contra a reforma trabalhista de Temer, que dava um pouquinho mais liberdade na negociação entre patrões e empregados. Postaram fotos com a hashtag #SomosContraAReformaTrabalhista e se sentiram satisfeitos por lutarem pelos direitos do povo trabalhador. “Questões com essa profundidade, devem ser discutidas arduamente com todos os setores da sociedade, pois avança sobre direitos conquistados com muita luta”, protestou Lucio Mauro Filho.

No mesmo ano, a atriz Carolina Ferraz entrou com um processo contra a Rede Globo, exigindo R$ 10 milhões em direitos trabalhistas, mesmo tendo sido contratada via PJ. No ano seguinte, Maitê Proença (aquela que recebe pensão de filha de militar solteira até hoje) seguiu o mesmo caminho, mas pediu “apenas” meio milhão em indenizações trabalhistas.

Qualquer desavisado pode pensar que a Globo, capitalista malvadona que é, está usando seu poder econômico para forçar os pobres artistas a aceitarem contratos PJ, sem as devidas garantias da CLT. Afinal, esses mesmos artistas defendem as leis trabalhistas como uma enorme conquista dos trabalhadores.

Mais ou menos. Na verdade, eles defendem a CLT para os outros. Para eles, o contrato PJ é bem vantajoso. Tanto que, esse mês, a Globo decidiu mudar os contratos para CLT, e gerou revolta entre os apresentadores da casa. Ninguém é besta.

Na verdade, eles defendem a CLT para os outros. Para eles, o contrato PJ é bem vantajoso. Tanto que, esse mês, a Globo decidiu mudar os contratos para CLT, e gerou revolta entre os apresentadores da casa. Ninguém é besta. 

“A Globo não está propondo nenhum rebaixamento de ganhos, e sim que pode contratá-los pelo valor bruto que ganham atualmente como PJs. Só que, pelo regime de CLT, eles terão descontos maiores: só de I.R. todos passarão a pagar quase o dobro do que pagam hoje: 27,5%. Como PJs eles pagam 15%. Por outro lado, eles não parecem se interessar pelos benefícios da carteira assinada, como 30% a mais nas férias, 13º salário e FGTS. Praticamente todos já ganham PLR ou bônus anuais”, explica o colunista do UOL. E ele nem citou que, apesar de os colaboradores passarem a receber menos, a Globo, como empregadora, passará a gastar mais. A diferença vai pro governo, é claro.

Ou seja, as duas atrizes citadas, brigam na Justiça pelo bônus da CLT, mas nunca pagaram o ônus de um regime travado, cheio de descontos e com “benefícios” pra inglês ver. Espertinhas, né?

Portanto, artistas da Globo, antes de sacudirem as teias de aranha de suas respectivas carteiras de trabalho de novo, para protestarem contra precarização dos direitos e conquistas da CLT, peçam à Globo a mudança de seus próprios contratos. Saiam do PJ, provem como acreditam na qualidade das leis trabalhistas brasileiras. A emissora já se mostrou disposta a seguir toda a maravilhosa carta del lavoro, que herdamos do governo fascista de Mussolini. Olha que grande conquista dos funcionários globais!

Ou vão continuar defendendo “liberdade pra mim e papai-estado pros outros”?


Foto: Reprodução/Instagram