Cautela e caldo de galinha, boa receita - Jackson Vasconcelos - Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

Cautela e caldo de galinha, boa receita

13.04.2020 02:34

Para qualquer assunto, Machado de Assis tem boas lições, já que da alma e dos costumes humanos conhecia como poucos. De política, eleição e conselhos de estratégia, ele deixou muita coisa.

Como o meu tema é, foi e será sempre a política, eleições e estratégia, busquei num dos livros de Machado o assunto para hoje. Quincas Borba! Sobre o personagem, disse Machado: “É aquele mesmo náufrago da existência, que ali (Memórias Póstumas de Brás Cubas) aparece, mendigo, herdeiro inopinado, e inventor de uma filosofia”.


PUBLICIDADE


Quincas enamorou-se de uma viúva, senhora de condição mediana e parcos meios de vida… chamava-se Maria da Piedade. Quincas Borba apaixonou-se também de um cão, a quem deu o próprio nome.

Rubião, irmão de Maria da Piedade, está na obra, é o centro dela. Ele fez todo o possível para casar Piedade com Quincas Borba. Não conseguiu, porque Piedade resistiu e depois, porque “um pleuris a levou”. Mas, isso não impediu Rubião de ser o herdeiro da grande fortuna do patrão, que poderia ter tido por cunhado.

No capítulo cem da obra, falecido o filósofo Quincas Borba, Rubião recebe um convite para ser candidato a deputado. Dr. Camacho, já na política, faz a honra e entre todas as razões de homenagem, cita a necessidade de se evitar que a divisão de votos entre dois candidatos do mesmo lado levem a campanha para a derrota.

Acontece um diálogo e, “Rubião, comovido, fez ainda outras perguntas acerca da luta e da vitória, se eram precisas despesas já, ou carta de recomendação e pedido, e como é que se havia de ter notícia frequente do enfermo, etc. Camacho respondia a tudo; mas recomendava-lhe cautela. Em política, disse ele, uma coisa de nada desvia o curso da campanha e dá a vitória ao adversário”.

De outra coisa não tratei na Estratégia 29 do livro “Que raios de eleição é essa”: Antes de se lançar numa campanha, resolva suas fragilidades.

A cautela sugerida pelo Dr. Camacho ao Rubião tem nome certo: estratégia. Ela é a ferramenta que dá ao candidato a possibilidade de conhecer bem os próprios atributos, tanto os positivos como os negativos. E também os melhores e piores recursos pessoais dos adversários. Uma cautela essencial para saber como se pode vencer.

Conhecer-se bem é fundamental, mas saber quem é o adversário, personalidade, história, fragilidades, capacidade de reagir e de agir dele, essencial.

Davi era um pastor de ovelhas de pequena estatura física e decidiu enfrentar um gigante, Golias, para livrar o povo hebreu de ser escravo dos filisteus. Saul era o rei e preparou Davi para a luta, colocando sobre a cabeça dele um capacete de bronze e no corpo, uma couraça. Davi começou a andar e sentiu que com toda aquela parafernália, a mesma que usava o adversário dele, não conseguiria vencer. Davi não estava acostumado a andar com o paramento militar. Nunca vestiu-se para a guerra. Então, tirou tudo aquilo do corpo, armou-se com o cajado de pastor de ovelhas e com a funda que usava para vencer os lobos…

Mas, não foi só pelo conhecimento da própria fragilidade física que Davi venceu.

O resto da história todo mundo conhece, aplaude e usa como exemplo da vitória do mais fraco sobre o mais forte. Mas, não foi só pelo conhecimento da própria fragilidade física que Davi venceu. Foi também pela decisão de derrubar o gigante antes que ele chegasse perto. O corpo a corpo seria uma vantagem fatal para o gigante. A estratégia fez Davi vencer a luta, resultado que ele, com lealdade, creditou a Deus.

Na minha adolescência, pratiquei judô. Fábio, meu professor, ensinava na primeira aula: “A maneira mais fácil para se derrubar um adversário é usando o impulso e o peso dele. Só assim, um japonês franzino leva ao chão um gigante de quimono”.

A ausência de cautela e escolha da estratégia correta transforma, com rapidez, uma oportunidade de sucesso numa ameaça. De outro modo, não consigo ver as dificuldades que tem hoje o presidente Jair Bolsonaro de lidar com o Congresso Nacional quando, quase com exclusividade na história do presidencialismo esquisito adotado pelo Brasil, conseguiu eleger-se presidente da república levando com ele uma expressiva bancada de deputados federais e senadores.

Mas, o que fez o presidente dessa oportunidade? Implodiu o partido que deu a ele o diferencial e empurrou para a oposição gente que dançaria, por ele, qualquer música. A oportunidade se tem feito ameaça. Uma estratégia com sinal invertido.

O presidente da República, definitivamente, não é um político cauteloso. Não atenderia ao requisito solicitado pelo magistral Machado de Assis, na pele do Dr. Camacho.

Desejo que todos e todas tenham tido um bom domingo de Páscoa.

Foto: José Cruz/Agência Brasil


PUBLICIDADE