Afinal, o que o povo quer? - Jackson Vasconcelos - Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

Afinal, o que o povo quer?

30.12.2019 01:05

Ao fazer a retrospectiva do ano, destaco como fato relevante para quem estuda estratégia política a atuação de três personagens do Reino Unido no processo de separação do país da União Europeia, Brexit. E de um personagem da política brasileira, diante do governo do presidente Jair Bolsonaro.

O primeiro personagem é David Cameron, primeiro ministro do Reino Unido, que convocou o referendo para ouvir o povo sobre a permanência na União Européia. Por vários motivos, os povos do Reino Unido, depois de resistirem um bom tempo, decidiram, num referendo de 1975, participar da União Europeia, um bloco criado em 1957. Mesmo amadurecida durante anos, a decisão nunca foi confortável.

Em 2016, o primeiro ministro David Cameron, favorável à presença do Reino Unido na União Europeia, decidiu enfrentar os contrários e recolocou o tema num novo referendo. Ele fez a leitura errada dos movimentos. O povo decidiu sair. Cameron, meio sem jeito, renunciou e entrou em campo a segunda personagem que destaco: Teresa May.

Ela defendeu a permanência do Reino Unido na União Europeia na campanha do referendo. Mas, vencida, entendeu que o seu papel seria colocar em prática a decisão do povo. É assim na democracia. Teresa tentou – e como tentou! – aprovar no Parlamento Inglês, um acordo de saída. Foi derrotada várias vezes e ridicularizada. Teresa desistiu. Abriu caminho para que alguém com mais identidade com a separação comandasse o processo.

Apareceu Boris Johnson, mas o jogo no Parlamento ficou mais pesado. Já se percebia que a questão central não era mais a vontade popular, mas o jogo político de forças no Parlamento. Boris sofreu derrotas e, como aconteceu com Teresa May, foi ridicularizado. Não desistiu. Chamou o povo à decisão. Não para um referendo direto, mas para enquadrar o Parlamento. Boris venceu a parada com uma campanha bem simples: “Get Brexit Done”, vamos resolver logo isso. Ele sabia que o povo estava cansado de ser enrolado. Houve eleição e os brincalhões foram mandados de volta para casa.

Para quem está na política, a leitura correta da vontade popular é uma questão de sobrevivência

As populações do Reino Unido deixaram uma lição: não adianta nos enrolarem. O que queremos, queremos. Este é o sentimento que está prevalecendo em todo o mundo. Olhem o que acontece, por exemplo, em Hong Kong, onde o adversário do povo tem muito poder e força e nem por isso, está conseguindo parar o processo.

No Brasil, o ano começou com a posse de um governo eleito com uma pauta conservadora nos costumes, liberal na economia e de autorização explícita de uso da força e violência na segurança pública. E também combate ao governo que esteve no poder até 2018.

Com a mesma agenda, houve renovação no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas e em muitos governos estaduais. O povo não deixou dúvidas sobre o que quer.

Mas, o nosso quarto personagem, o deputado federal Rodrigo Maia, presidente da Câmara, parece entender diferente. Ele publicou na Folha de São Paulo um artigo para responder a uma questão complexa:

“O saldo de 2019 é positivo para o Brasil?”

Ele disse que sim, que avançamos “aos trancos e barrancos”. Disse mais: “Com alguma surpresa, o país descobriu a diferença entre governo e governança”, mas ele mesmo não explicou como chegou à essa conclusão e qual é a diferença. Disse mais ainda e, dessa vez, com certa vaidade:

“A atual legislatura foi a que mais rejeitou medidas provisórias baixadas pelo Poder Executivo.” E avisou, “O Congresso Nacional congelou e também refreou a tensão provocada por uma pauta conservadora na área dos costumes”, situação confirmada pelo O Globo, na matéria de final de ano.

Ou seja, a voz do povo na eleição de 2018, não é mais relevante. Será que não? Para quem está na política, a leitura correta da vontade popular é uma questão de sobrevivência.

Feliz ano novo.