O Senado Federal é um desperdício - - Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

O Senado Federal é um desperdício

21.04.2018 07:57

Sergio Moura*

A existência de senadores da República é ofensiva à nossa inteligência e ao nosso bolso.

O Senado Federal vem da Constituição de 1824. Seu autor, D. Pedro I, inspirou-se na dos EUA, que criou o Senate of the United States para evitar a abolição da escravatura, que aconteceria imediatamente se os Estados do Sul não tivessem, através de representação individual, como impedi-la, o que fizeram por 80 anos.

No Brasil, o Senado é uma afronta à democracia, uma infantil agressão à lógica, uma redundância e um desperdício de dinheiro.

Afronta a democracia porque: 1) Institui o voto de qualidade, inaceitável numa democracia, pois todos os projetos de lei votados na Câmara, com 513 deputados, têm de passar pelo crivo do Senado, com 81 senadores, o que nos diz que o voto de um senador vale pelos de seis deputados, o que é voto de qualidade; 2) Infringe o princípio de um homem um voto, porque, por exemplo, os 1,7 milhão de habitantes de Rondônia têm o mesmo poder político que os 45,3 milhões de habitantes de São Paulo, e 3) Abriga suplentes que não foram eleitos pelo povo, mas nomeados pelos caciques dos partidos.

Agride a lógica porque, se senadores representam um Estado, e se o Estado é um só – uma única opinião, portanto –, como pode senador de um Estado votar diferente de outro senador do mesmo Estado?

Redunda porque ninguém mentalmente são contrata duas pessoas para fazer o mesmo.

Desperdiçamos indispensáveis R$ 5 bi por ano com essa ofensa à inteligência e ao bolso. Vamos eliminá-la?

*Sergio Moura é autor do livro Podemos ser prósperos – se os políticos deixarem.