fbpx

Por que mulheres ganham menos que os homens?

Compartilhe

Por Instituto Damas de Ferro*

Infelizmente, essa questão é frequentemente ignorada no meio liberal por parecer enigmático estabelecer uma discussão equilibrada uma vez que este tema foi roubado pela militância esquerdista. Porém, ao ganhar o prêmio de Economia de 2023, a economista e professora de Harvard, Claudia Goldin, não só apresentou esse debate sem enviesamento político, mas também ofereceu insights valiosos sobre as origens da disparidade salarial de gênero. Goldin destacou a importância de abordar fatores estruturais, como a falta de flexibilidade no local de trabalho e a penalização das mulheres por interrupções na carreira devido à maternidade.

Indo além do argumento reducionista que culpa o machismo como o principal causador do “gender gap”, Claudia, com o uso de mais de 200 anos de dados sobre as mulheres no mercado de trabalho, mostrou que, em muitos casos, a diferença salarial entre homens e mulheres não está necessariamente ligada a discriminação direta, mas sim a diferenças nas escolhas de carreira, negociações salariais e na valorização de certas habilidades e atributos profissionais.

Leia também:  Vice-Presidente do Uruguai marca presença no 2º Retiro do LOLA América Latina em Montevidéu, Uruguai

Seus estudos mostraram que a desigualdade já não se justifica pelo grau de educação ou função no trabalho, mas devido a escolha pessoal da mulher em focar na sua carreira profissional/acadêmica ou em dedicar seu tempo com a maternidade. Nesse sentido, a diferença de salário já começaria logo após o nascimento do primeiro filho. Assim, ao observar esses dados, Cláudia nos mostra que, em meados do século XX, foi fundamental o papel dos métodos contraceptivos para aumento da autonomia da mulher sobre seu futuro e sobre o seu planejamento de carreira. Então, ainda que uma mulher esteja em um mesmo emprego que um homem, ela pode receber menos por dedicar menos tempo ao trabalho, o mesmo ocorre no caso de mulheres sem filhos, elas ganharão mais do que mulheres que precisam cuidar da família. 

Leia também:  LOLA defende liberdade das mulheres em blitz do 8 de março

A fim de mudar esse cenário, muitos políticos e acadêmicos podem, erroneamente, propor medidas que forcem a igualdade de salário, contudo, o estudo da economista americana nos mostra que tais políticas podem gerar o efeito contrário ao desejado. Ao invés de ações impositivas, a economista americana propõe o empenho de ações que promovam a flexibilidade no trabalho, por exemplo, para que, assim, equilibre as responsabilidades familiares e permita que as mulheres dediquem mais tempo ao seu trabalho. 

Essa abordagem mais neutra e baseada em evidências contribui para desmistificar a complexidade do problema, permitindo que diferentes perspectivas ideológicas encontrem pontos de convergência na busca por soluções efetivas. O reconhecimento de especialistas renomados, como Claudia Goldin, pode ser fundamental para iniciar uma discussão mais ampla e construtiva sobre como superar as disparidades salariais de gênero.

Leia também:  LOLA defende liberdade das mulheres em blitz do 8 de março

Tenha acesso às publicações e ao trabalho da Claudia clicando neste link: https://scholar.harvard.edu/goldin/publications.  

*O Instituto Damas de Ferro iniciou sua jornada com uma inquietação: a escassez de autoras liberais e libertárias reconhecidas em nosso país. Movidos pelo desejo de descobrir autoras que promoveram a liberdade e cultivar um ambiente propício para o desenvolvimento individual de habilidades técnicas e interpessoais, o Damas de Ferro se destaca como uma referência e instituição formadora de ferrenhos éticos e livres.

 

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?