fbpx

Câmara dos Deputados discute hidrogênio verde no Brasil

Hidrogênio verde
O Brasil também possui uma estratégia para a implantação do hidrogênio com três marcos importantes

A Subcomissão Especial de Hidrogênio Verde promoveu, em novembro, uma sessão para discutir a segurança institucional e jurídica para a produção de hidrogênio sustentável no país. A reunião foi dirigida e proposta pelo deputado Leônidas Cristino (PDT-CE), e contou com a presença de representantes do Ministério de Minas e Energia.

Mariana Espécie, do departamento de Transição Energética do MME, apresentou um estudo sobre hidrogênio de baixa emissão de carbono. “O Brasil no ano passado computou quase 90% de fontes renováveis na sua matriz elétrica. Hoje o hidrogênio verde é pouco competitivo comparado às tecnologias existentes”, explicou Mariana.

Segundo o MME, a maior parte dos países tem explorado a diversidade de rotas de produção de hidrogênio de baixa emissão, com base nos recursos energéticos disponíveis.

Leia também:  Zema recebe medalha na Câmara por gestão em MG

O Brasil também possui uma estratégia para a implantação do hidrogênio com três marcos importantes. Primeiro: disseminar plantas pilotos de hidrogênio de baixo carbono em todas as regiões do país, até 2025; consolidar o Brasil como o mais competitivo produtor de hidrogênio de baixo carbono do mundo, até 2030; e por último, consolidar hubs de hidrogênio de baixo carbono no Brasil, até 2025.

Além disso, o país precisa ampliar em sete vezes os investimentos anuais em pesquisa, desenvolvimento e inovação para o hidrogênio no país. “O Brasil vai ser o protagonista importante nesta transformação energética que o mundo precisa que seja feita”, comentou o deputado Leônidas.

Objetivo

A Subcomissão ligada à Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados está dedicando seus esforços ao estudo das potencialidades do hidrogênio verde como uma alternativa de baixa emissão de carbono. Este elemento, abundante na natureza e amplamente empregado globalmente para a geração de energia, apresenta diferentes categorias definidas por cores, dependendo da sua origem:

Leia também:  Zema recebe medalha na Câmara por gestão em MG

– Hidrogênio Cinza ou Marrom: Proveniente da queima de combustíveis fósseis, caracteriza-se por ser altamente poluente.

– Hidrogênio Azul: Obtido por meio de técnicas avançadas de captura de carbono.

– Hidrogênio Verde ou Sustentável: Gerado a partir de fontes renováveis de energia, representando uma opção ambientalmente amigável.

Compartilhe essa notícia:

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?