fbpx

Minirreforma Eleitoral reduz a transparência e amplia a corrupção

Compartilhe

Por Rafael Moredo*

Mais uma eleição se aproxima e mais uma vez os parlamentares se apressam para aprovar mudanças nas regras do pleito. Desde a redemocratização, o Brasil nunca teve duas eleições seguidas com as mesmas regras eleitorais. Sempre que se aproxima o prazo de aprovação para que as mudanças estejam valendo na próxima eleição, deputados e senadores correm para mudar a legislação, quase sempre para legislar em causa própria, ampliando seus privilégios e dificultando a punição para crimes cometidos durante as eleições.

Este ano, não é diferente. O Congresso vem discutindo uma série de projetos de alteração no Código Eleitoral às pressas, já que a lei eleitoral estipula que mudanças nas regras do jogo devem ocorrer com pelo menos um ano de antecedência às eleições, ou seja, tudo precisa ser aprovado até dia 6 de outubro. Isso coloca um prazo apertado para as discussões e análises adequadas dessas propostas.

Leia também:  O liberalismo pulsa nas cidades vivas

O já mencionado conjunto de mudanças proposto pelos parlamentares é, na realidade, um desmonte dos mecanismos de fiscalização das eleições e de combate à corrupção, piorando as condições de acompanhamento e dificultando a participação democrática da nossa sociedade.

Um dos pontos centrais do pacote é o PL 4438/2023, popularmente chamado de “Minirreforma Eleitoral”, mas que não tem nada de “mini” e nem de “reforma”. Muitas das mudanças previstas no texto levantam preocupações, como o afrouxamento do processo de prestação de contas dos partidos políticos e a ampliação das possibilidades de uso de recursos públicos para cobrir despesas pessoais dos candidatos, reduzindo a transparência e o acesso à informação por parte dos eleitores.

Além disso, os parlamentares também avançam uma flexibilização na Lei da Ficha Limpa, através do PL 192/2023, que reduz significantemente o tempo de inelegibilidade de políticos condenados e ainda cria o risco de termos candidatos elegíveis, condenados, concorrendo de dentro de prisões, ou usando tornozeleira eletrônica. Esse projeto, sozinho, tem o potencial de prejudicar ainda mais a já baixa confiança dos eleitores nas instituições democráticas. A facilitação da candidatura de políticos cassados ou condenados também pode piorar a percepção da corrupção do Brasil no mundo. Segundo o Índice de Percepção da Corrupção, o Brasil ocupa a 94ª posição no ranking global.

Leia também:  O liberalismo pulsa nas cidades vivas

Outro ponto preocupante desta “farra eleitoral” é a PEC da Anistia (PEC 9/2023), que pretende, como o nome sugere, anistiar partidos políticos que tenham descumprido regras da eleição passada, concedendo um perdão bilionário aos partidos. A aprovação dessa PEC contribuiria para o aumento da insegurança jurídica, que também já é elevada no Brasil.

Estamos vivendo um período de recessão democrática não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. O relatório Democracy Report 2022 do V-Dem Institute aponta que o nível democrático global retrocedeu 30 anos, retornando aos patamares de 1989. O Brasil vem tendo sua nota reduzida constantemente pelo indicador do V-Dem nos últimos anos e este pacote não ajuda em nada a colocar o Brasil de volta aos trilhos de fortalecimento da democracia. Muito pelo contrário, as mudanças constantes na legislação eleitoral, a flexibilização de mecanismos anticorrupção e a não responsabilização de partidos que tenham cometido irregularidades só tornam o país mais instável e inseguro.

Leia também:  O liberalismo pulsa nas cidades vivas

A preservação da integridade do sistema eleitoral e a garantia da responsabilidade dos atores políticos são essenciais para manter a confiança dos cidadãos nas instituições democráticas e promover uma participação mais robusta da sociedade civil na construção do futuro político do país. Portanto, é fundamental que esses três projetos de lei sejam veementemente rejeitados no Senado e que nós, como sociedade, continuemos a defender eleições transparentes e a possibilidade de responsabilização de partidos e candidatos que cometam crimes.

*Rafael Facure Moredo é estudante de Relações Internacionais na FGV e analista de relações governamentais do Livres.

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?