fbpx

Camisinhas, peixes e desesperança: o rastro do intervencionismo do PT no Acre

Compartilhe

Por Ronan Matos*

Investigar as causas de qualquer fenômeno é parte de qualquer investigação minimamente credível. O antigo fenômeno da Intervenção do Estado (ou de entidades heterônomas primitivas) nas relações comerciais dos indivíduos sempre apresentou uma única causa: a “boa vontade” da elite política em potencializar, regular ou inibir um setor econômico em nome do bem comum. Da capital ao mais recôndito município, essa regra sempre vale. E vale mais ainda as consequências do intervencionismo: desemprego, gastança, taxações, ilusões.

Mas isso tudo você já sabe: então hoje decidi contar para vocês sobre dois casos que você provavelmente ainda não conhece dos delírios intervencionistas do PT que aconteceram aqui no meu querido e sofrido estado do Acre.

Vou começar lembrando de um caso bastante singular que foi o Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia fundado no Acre há uma década. À época, o governador Tião Viana (PT) investiu mais de 80 milhões de reais no empreendimento, cujo objetivo era tornar o Acre autossuficiente em industrialização de pescado e alimentação para peixes. O sonho era lindo. Acreditou-se que o Complexo seria capaz de atender os mais diferentes mercados globais, incluindo mais de 60 milhões de consumidores apenas no continente sul-americano. Como se não bastassem essas promessas, mobilizou 3.500 pequenos produtores familiares organizados em associações e colônias de aquicultores. O governo petista, com a maestria que já conhecemos a nível federal, mobilizou esperança, manipulou a miséria e justificou seus projetos faraônicos.

No entanto, esse sonho se transformou em um pesadelo, pois atualmente o espaço encontra-se abandonado, fechado e se deteriorando a cada dia que passa. A falta de operação e manutenção adequadas levou ao desperdício dos recursos investidos e ao desperdício do potencial econômico que o empreendimento poderia ter alcançado.

Outro exemplo emblemático é a fábrica de camisinhas Natex, inaugurada em 2008 pelo então governador Jorge Viana (PT), na cidade de Xapuri (AC), berço do líder ambientalista Chico Mendes. A iniciativa estatal tinha como objetivo gerar renda para a comunidade local, ao mesmo tempo em que abasteceria o programa nacional de distribuição de preservativos. A fábrica tinha capacidade para produzir 100 milhões de camisinhas por ano, o que representaria um quarto da demanda do governo por esses contraceptivos.

O Ministério da Saúde comprometeu-se a adquirir toda a produção, o que inicialmente ocorreu. No entanto, a quantidade de camisinhas adquiridas pelo governo despencou devido às dificuldades financeiras enfrentadas pelo estado e a mudanças na dinâmica da produção de matéria-prima. Enquanto o contrato para o período de 2015 e 2016 previa a compra de 100 milhões de unidades, a aquisição mais recente, para fornecimento até 2017, foi de apenas 41 milhões de unidades.

Diante da crise financeira em 2016, o governo do Acre tentou privatizar a estatal, mas não houve interessados. Além dos problemas financeiros, surgiu outra questão: a disponibilidade de látex nativo. Sem conseguir vender para a indústria, os seringueiros encontraram outro comprador para a borracha sólida, que era menos trabalhosa de extrair do que o látex utilizado na produção de camisinhas.

Esses casos servem como exemplos de como a interferência excessiva do Estado em empreendimentos e negócios não é benéfica. O Estado deve fornecer um ambiente favorável ao empreendedorismo e à iniciativa privada, evitando burocracia excessiva e fornecendo suporte adequado, mas também é necessário garantir uma gestão eficiente e responsável dos recursos públicos para evitar desperdícios e falhas como as ocorridas na Peixes da Amazônia e na Natex.

*Ronan Matos é jornalista, editor-chefe do Diário do Acre e membro da UJL.

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

Mais Opinião

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?