fbpx

Precisamos falar sobre vacinas

Compartilhe

*Marcus Vinicius Dias

É bem possível que você nunca tenha ouvido falar de Edward Jenner mas, em alguma medida, se hoje eu estou escrevendo _e você lendo_ este texto é porque pessoas como Jenner existiram e tornaram a nossa vida na Terra mais segura. Mais do que qualquer outro médico, Jenner ajudou a salvar vidas. Formado na Grã-Bretanha do século XVIII, foi treinado em cirurgia e anatomia por gente como John Hunter, o célebre cirurgião ainda hoje reconhecido pelas suas contribuições nestas áreas. Mas foi na abordagem imunológica da varíola que Jenner imortalizou seu nome no panteão dos grandes médicos e cientistas de todos os tempos: ao observar que as ordenhadeiras das vacas infectadas com a varíola bovina eram imunes à varíola humana, Jenner teorizou que ao entrar em contato com as secreções das vesículas varíolicas das vacas, elas adquiriam uma proteção contra a moléstia humana, num fenômeno hoje conhecido como imunidade cruzada.

A partir desta observação desenvolveu todo o seu trabalho que culminou com a revolucionária técnica que consistiu, inicialmente, em inocular o vírus da varíola bovina, contido em secreções do gado, em humanos e, por meio deste contato, assegurar uma proteção que fosse capaz de evitar o contágio pela forma humana do vírus ou, ao menos, que uma vez infectada, a pessoa não desenvolvesse uma forma grave da doença. Assim nascia a vacinação, termo cunhado em referência ao nome do vírus bovino da varíola, Variolae vaccinae.

Não restam dúvidas que de lá para cá essa ação humana transformou o curso da História, tratando-se, portanto, de uma verdadeira revolução. Também é patente que desde a técnica seminal, até à atualidade, modificações e aperfeiçoamentos ocorreram, de modo que ninguém vai ao posto de saúde e recebe no braço ou na boca uma secreção animal. Mas não é difícil supor que até ser consagrada como cientificamente comprovada muitos questionamentos, ensaios e testes, equívocos e efeitos colaterais, ocorreram até que o procedimento se tornasse efetivamente seguro e, o mais importante, socialmente aceito como tal.

Mas aquilo que salvou nossos tataravós, e portanto nos permitiu chegar até aqui, atualmente está em xeque. Hoje o mundo vacina menos que outrora, embora, em retrospectiva, aja uma oferta historicamente maior de imunizantes disponíveis para a população. Como toda mudança de tendência comportamental, a queda da adesão das pessoas à vacinação é multifatorial e complexa e, para ser revertida, precisa de um diagnóstico sistêmico e um remédio multivalente. Olhar apenas um aspecto e atacá-lo por uma só frente é o equivalente a tratar uma infecção bacteriana por múltiplos patógenos com apenas um antibiótico. Neste mesmo sentido, reduzir a complexidade do tema a uma única narrativa é o equivalente a tratar de modo ambulatorial um paciente em estado grave.

Leia também:  Pau que dá em Chico, não precisa dar em Francisco

A primeira razão para a diminuição do consumo de um produto, qualquer estudante de primeiro período de marketing sabe, é a percepção, por parte do consumidor, de que ele se tornou desnecessário ou obsoleto. Com a vacina não é diferente. À medida que tivemos uma ampliação da cobertura vacinal, e consequente erradicação de doenças graves que nos atemorizavam há décadas, nosso senso de gravidade e urgência foi desativado. E isso nos levou a desvalorizar a vacina. Prova disso é a terrível poliomielite, que vitimou e sequelou gerações de jovens no Brasil, mas desde 1989, felizmente, não acomete ninguém em nosso país. Ao não ter vivido ou ouvido falar da paralisia infantil, as mães e pais das nossas crianças não enxergam a necessidade de levar seus filhos para tomar a gotinha. No sentido contrário, em 2021, quando milhares de pessoas morriam no país em decorrência de complicações da COVID 19, o desejo de se vacinar era o imperativo do brasileiro. Quem aqui não procurou saber sobre onde estava sendo aplicada a vacina de modo mais rápido? Quem aqui não ouviu relatos dos chamados “fura-fila” de vacinação? A percepção de gravidade nos faz buscar um meio de segurança.

Outros aspecto que concorre para isso é a facilidade da circulação de opiniões e idéias trazidas pela difusão das redes sociais. Os hoje denominados grupos anti vax sempre existiram. E há muito tempo são minoritários, estatisticamente insignificantes. Aja vista o sucesso histórico do nosso Programa Nacional de Imunização que, em determinadas campanhas, obtinha mais de 90% do público alvo imunizado, ou seja, um sucesso. Mas com o advento da internet, aqueles que se recusavam a tomar as vacinas passaram a ampliar sua voz e, portanto, a influenciar, negativamente, alguns mais sucetíveis a não se vacinarem. O problema crucial disso é que enquanto essa minoria era solitária, ainda que não vacinada, por efeito da imunidade coletiva conferida pelos altos índices de vacinação da população, estava protegida, uma vez que o vírus não mais circulava no nosso meio. Mas ao ganhar adeptos na parte da sociedade que não é propriamente anti vacina, mas também não enxerga mais a real importância da vacinação, colocou em risco a erradicação do vírus, visto que o percentual de vacinados despencou e, assim, abriu espaço para que ele voltasse a circular.

Leia também:  Pau que dá em Chico, não precisa dar em Francisco

Uma outra questão chave, e mais recente, ocorreu em virtude da vacinação de COVID 19. Estando acostumada à vacinas que nos últimos tempos conferiam imunidade total, eliminando, portanto, o risco de se contrair a doença, a população, que num primeiro momento aderiu em massa à vacinação, ficou ressabiada em seguir o esquema vacinal proposto com as doses subsequentes ao se ver acometida pela forma leve da doença. É bem verdade que a indústria num primeiro momento foi efusiva em propagandear a imunidade, mas não foi devidamente eficiente em recuar e admitir, de modo franco e transparente, que o que estava, de fato, sendo entregue era uma proteção individual e coletiva _ importantíssima, claro _ contra as formas graves da doença. Não há dúvidas que isso, em alguma medida, influenciou a diminuição das taxas de vacinação. E atacar este ponto de frente é parte da solução.

Em nenhuma democracia há monopólio ou exclusivismo do debate público. Mas a história intelectual do ocidente, inaugurada, por assim dizer, pelos gregos, nos ensinou que toda discussão científica começa com o chamado status quaestionis, que nada mais é do que um compilado do que já foi dito anteriormente pelos sábios sobre o assunto. Portanto, o ponto de partida de qualquer debate requer uma dialética que, por meio da confrontação das opiniões dos estudiosos do tema, gera um conhecimento novo lançando luz sobre a discussão. No entanto, o que temos assistido recentemente são expertos de última hora, sem a devida bagagem prévia para entrar na temática, e sem a necessária densidade de conhecimento para fazer um juízo crítico sobre a vacinação, por exemplo, e seus desafios. Sem falar em algo escatológico como correlacionar a adesão ou a recusa à vacinação a uma esfera ideológica, como se o fato de se avaliar a custo efetividade de uma estratégia sanitária se submetesse a uma agenda pré queda do Muro de Berlim.

Leia também:  Pau que dá em Chico, não precisa dar em Francisco

Os desafios principais me parecem estes. Mas o central talvez seja reconhecer que não se trata de um problema de governo, nem de estado, tampouco de partido, mas da sociedade. E algumas conclusões me parecem auto evidentes. Atribuir a uma corrente política, diga-se de passagem derrotada nas urnas, a baixa adesão da população às vacinas é algo simplório e inverossímil. Tivesse esta corrente tamanha força e poder de influência, o resultado eleitoral teria sido diverso. Do mesmo modo, atacar apenas os movimentos anti vacina e suas postagens em ambiente virtual, é ignorar o fato de que em 2021 o Brasil se vacinou como poucos países no mundo para COVID, em que pese a existência de propagandas nas redes sociais em contrário. É necessário olhar para o retrovisor e reaprender com o passado. Lembrar aos mais jovens do que foi as epidemias da varíola, de como se morria de sarampo, do quão ardilosa era a catapora e, especialmente, o quanto causou dor e sofrimento a paralisia infantil. Para isso é necessário, por parte das autoridades sanitárias, rever a estratégia de comunicação do Zé Gotinha que, cá entre nós, no seu formato original, não se comunica hoje em dia com mais ninguém. Do mesmo modo, há que se resgatar a idéia fundadora, e revolucionária, repito, de Edward Jenner, de que a vacinação deve imunizar, claro, o máximo possível, mas proteger das formas graves, sempre. E aí o papel da comunidade científica e industrial nesse processo é fundamental. E, por fim, tratar os extremistas anti vax com o antídoto mais eficaz contra a ignorância: a informação; e não cometer o erro fatal de confundir aqueles que criticamente pontuam eventuais incongruências e falhas do sistema, de modo propositivo, com os extremistas. Numa luta em que se começa a sofrer baixas em nossas fileiras, denominar soldados, que eventualmente questionam a estratégia de batalha e as motivações da guerra, como negacionistas, ou algo neste sentido, pode ajudar a formar um bom lide jornalístico mas, efetivamente, não auxilia a vacinar ninguém.

*Graduado em Medicina pela UFF, com MBA em Gestão em Saúde pela USP e Mestre em Economia pelo IBMEC.

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?