fbpx

Por uma Karlsruhe brasileira

Compartilhe

No começo deste ano, foi realizada uma ampla pesquisa de opinião com a população brasileira. O resultado: daqueles que se posicionaram, uma das opções ganhou 50,6% dos votos, e a outra, 49,4%.

Você arriscaria qual pergunta deu origem a essa distribuição? Seria em qual candidato à Presidência a pessoa votou nas últimas eleições? Ou, então, se ela está aprovando ou desaprovando o novo governo?

Na verdade, não se trata de nenhuma dessas opções. A pesquisa realizada pela AtlasIntel, a pedido do portal JOTA, questiona: “Você confia no trabalho e nos ministros do Supremo Tribunal Federal?”. Os que confiam foram 50,6%, enquanto 49,4% declararam não confiar.

Não é novidade que o país esteve e está dividido entre aqueles que se identificam, ideologicamente, com direita e com esquerda. Mas quando ocorre em relação à confiança no STF, podemos considerar um cenário esperado? Inclusive, seria esperado o interesse – a ponto de ser encomendada uma pesquisa – na opinião da população brasileira acerca do STF e seus ministros?

Leia também:  Instituto de Estudos Empresariais é homenageado pela Assembleia Legislativa

Uma questão, esta sim já esperada, se confirma nos resultados da pesquisa: altíssima correlação entre a opinião (confia/não confia no STF) e o candidato em que votou no segundo turno das últimas eleições presidenciais (Lula/Bolsonaro).

Lembro que a governança por meio da separação tripartite dos poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário – se mostrou, até então, o melhor modelo de organização do Estado; não por ser perfeito, mas por ser o melhor até então descoberto, a ponto de ser dominante nas democracias liberais ocidentais. O cerne do seu sucesso decorre da manutenção saudável das liberdades, por meio do Estado de Direito e da democracia, o que, por sua vez, só é possível a partir da independência e da harmonia entre os poderes.

Leia também:  Lideranças brasileiras recolhem assinaturas contra censura

Os poderes Legislativo e Executivo são representados em seus principais cargos por políticos – que podem e devem estar em sintonia com a demanda da população e têm plataformas ideológicas em seus partidos. Ao contrário, o Poder Judiciário deve basear-se em critérios técnicos, impessoais e apolíticos para sua atuação; são esses fatores que nutrem a confiança da população de que o único compromisso dos juízes é com a nossa legislação.

Assim, possíveis rompimentos de liberdades e outras injustiças intentadas pelos poderes Legislativo e Executivo serão prontamente freados pelo Judiciário. Isso é o sistema de checks and balances em sua essência.

No Brasil, é cristalino que o STF se afasta do seu papel constitucional e se aproxima do mundo político. Isso não é permitido, muito menos desejável.

Leia também:  "Não resolve", diz Flávio Bolsonaro sobre impeachment de Moraes

No sistema jurídico da Alemanha, há duas cortes supremas. O interessante é que ambas estão situadas na pequena cidade de Karlsruhe, propositalmente distante dos principais órgãos de governo, situados em Berlim, a mais de 600 quilômetros.

Além da limitação geográfica – que dificulta contato entre ministros da Suprema Corte e políticos do Executivo e Legislativo –, esse distanciamento dá uma clara mensagem sobre a independência e imparcialidade que devem guiar o Poder Judiciário.

Admiro o belo trabalho arquitetônico realizado por Lúcio Costa no Plano Piloto e por Oscar Niemeyer no Palácio do STF, mas acredito que seria muito melhor termos os ministros da Suprema Corte trabalhando longe de Brasília.

*Tiago Carpenedo é Diretor Financeiro do Instituto de Estudos Empresariais

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?