fbpx

Viva o Banco Central independente!

Compartilhe

Qualquer mercadoria em excesso no mercado perde valor, e com a moeda não é diferente. Em 1955, na ocasião da fundação de Brasília, quando o governo federal autorizou a emissão de moeda para financiar a construção da nova capital, houve excesso de oferta, e a consequente perda do poder de compra de toda a população.  Tal fenômeno monetário é denominado inflação, e, como era de se esperar, ela decolou a partir de 1960. A principal função do Banco Central é garantir a estabilidade do poder de compra, e, para isso, é imperativo que ele se mantenha independente do governo.

 

No Brasil dos últimos anos, políticas populistas e intervenções determinaram que o Banco Central emitisse desenfreadamente moeda para financiar políticas de crédito e auxílios sociais. Como era de se esperar, a inflação em 2010, no final do governo Lula, foi de 4,3% para 5,9%, e em 2015, no governo Dilma, acelerou para 10,7%, ocasionando forte aumento do desemprego, fraudes contábeis e impeachment. Ambos os governos fizeram do Banco Central refém de suas políticas econômicas, gerando uma perigosa bola de neve de emissão monetária irresponsável.

Leia também:  “Tirou a África do centro”, alerta Patricia Silva sobre novo mapa do IBGE

 

Quem mais sofre com a inflação é sempre o mais pobre, que destina a maior parte (quando não toda) da sua renda para o consumo imediato, sem conseguir investir para tentar se proteger. O aumento dos preços determina imediatamente a perda do seu poder de compra. Não à toa, a inflação é vista por economistas como “o imposto mais perverso”.

 

A manutenção de uma taxa de juros alta é a principal ferramenta do Banco Central para reduzir o dinheiro circulante e controlar a inflação. Fazer campanhas por juros mais baixos, como o governo petista faz, tentando pressionar politicamente o Banco Central, é semelhante a dizer que o seu time de futebol deverá fazer gol, independentemente de se o plantel é bom, profissional e habilidoso. Ter juros baixos é bom para o mercado pois significa crédito barato para financiar pessoas físicas e jurídicas, mas não à custa de “canetada”, e sim com ações que sinalizem a manutenção das contas públicas sob controle.

Leia também:  Justiça proíbe filho de Lula de se aproximar da mulher após denúncia de agressão

 

O governo Lula, antes mesmo de assumir, aprovou rombo de R$ 170 bilhões no orçamento atual, criou quinze novos ministérios, aumentou salários de todo o Legislativo e Judiciário na casa de dezenas de bilhões, bem como já propôs uma medida de aumento para o Executivo que terá impacto em torno de R$ 11 bilhões. Ora, por mais que digam haver boa vontade, sinalizam justamente um desgoverno fiscal. Como diria o político francês Talleyrand, “não aprenderam nada, não esqueceram nada”.

 

* André Marchesi é Diretor de Formação do IEE

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?