fbpx
PUBLICIDADE

Pré-candidato do NOVO defende privatização das grandes estatais

Em artigo publicado ao jornal "Folha de S. Paulo", Felipe d'Avila detalhou seu projeto econômico, que inclui ampla abertura comercial e até criação de "fundo soberano" com recursos da venda da Petrobras, CEF, Banco do Brasil e Eletrobras
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Em artigo publicado nesta terça-feira (18) no jornal “Folha de S. Paulo”, o pré-candidato à presidência da República pelo Partido Novo, Felipe d’Avila, expôs em mais detalhes o pensamento econômico que pretende, caso eleito, levar ao Palácio do Planalto.

PUBLICIDADE

No texto – que preferiu assinar em próprio nome, em vez de optar por algum economista parceiro -, d’Avila destacou que “o Brasil está cansado de presidente que precisa de Posto Ipiranga”, uma referência a políticos que, como Bolsonaro, preferem terceirizar a pauta econômica a especialistas.

Na sequência, avaliou que “o populismo petista e bolsonarista destruiu a economia” e “deixou-nos um trágico legado de inflação alta, desemprego recorde, 20 milhões de brasileiros de volta à miséria e mais de uma década de estagnação”.

PUBLICIDADE

Leia também:  Em primeiro ato, novo ministro fala em desestatização da Petrobras

Uma das soluções para o Brasil, para d’Avila, é o enfoque ambiental. Na avaliação dele, há necessidade de a política ambiental ser tratada como política de Estado e que, para isso, entre outras medidas, é preciso “criar um mercado doméstico de carbono” e “apoiar o crescimento do agronegócio ambiental”.

Na sequência, d’Avila sustentou ainda o que chamou de “abertura unilateral da economia” ao comércio mundial.

Crítico a barreiras protecionistas, tarifárias e burocráticas que “aniquilaram a produtividade e a competitividade do Brasil”, prometeu uma “abertura gradual” e que “em quatro anos seremos uma economia aberta e competitiva”.

PUBLICIDADE

Na avaliação dele, essa mudança “estimulará o setor privado a pressionar o Congresso a votar as reformas de Estado, como a tributária e a administrativa”, que as classificou como “vital” e “imprescindível”.

Leia também:  Musk anuncia oficialmente a aquisição do Twitter e enaltece liberdade de expressão

O terceiro pilar de seu programa, por sua vez, seria um amplo programa de privatizações. Nesse contexto, o pré-candidato do Partido Novo defendeu “vender as estatais intocáveis” e mencionou seus alvos: Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Eletrobrás.

“Elas representam 80% do valor das estatais”, pontuou, dizendo que “não dá para fazer privatização acanhada, como a venda de subsidiárias”.

PUBLICIDADE

Os recursos oriundos das privatização, por sua vez, devem, para ele, formar “um fundo soberano […] para investir em outras prioridades, como educação, pesquisa e desenvolvimento”.

Ao fim, d’Avila ressaltou a importância de um “orçamento transparente” e criticou a existência de “orçamento secreto e orçamento paralelo de estatais”.

“Sem a construção desses pilares, o Brasil está condenado a continuar refém do baixo crescimento, da pobreza e do PCC: patrimonialismo, corporativismo e clientelismo”, concluiu o pré-candidato.

Leia também:  Vereador do NOVO aponta 'hipocrisia' de app estatal do Rio

Em novembro, o Boletim da Liberdade entrevistou Felipe d’Avila. Confira:

 

Compartilhe essa notícia:

APOIO

Obrigado por ter lido até aqui.

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?