fbpx
PUBLICIDADE

Mundo abandonou mito do ‘Estado Mínimo’ idealizado por Thatcher e Reagan, diz pré-campanha de Moro

Affonso Celso Pastore foi presidente do Banco Central entre 1979 e 1985 e publicou artigo representando o pensamento econômico da pré-candidatura de Sérgio Moro (Podemos) à presidência
(Foto: Alan Santos / PR)
PUBLICIDADE

Escolhido para representar o pensamento econômico da futura candidatura de Sérgio Moro (Podemos) à presidência, o economista Affonso Celso Pastore classificou a defesa do Estado Mínimo como um “mito” em artigo publicado nesta quinta-feira (6) no jornal “Folha de S. Paulo”. [1]

PUBLICIDADE

Segundo ele, tanto no campo social como no campo econômico, o “mundo já abandonou” esse pensamento “como foi idealizado por [Margaret] Thatcher e [Ronald] Reagan”.

Mencionando como exemplo remanescente dessa concepção econômica os Estados Unidos, Pastore disse que o país “preza a eficiência e a meritorcracia, mas tolera a crescente concentração de rendas e riquezas”.

PUBLICIDADE

De outro lado, na visão do economista, estariam “os países da Europa Ocidental, onde o tamanho do Estado varia de país para país, com assistência universal de saúde em alguns casos e com o estado (sic) sendo o único provedor da educação”.

Leia também:  Twitter deverá aceitar proposta de Musk, diz jornal
Affonso Celso Pastore, o economista de Moro (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Ideias para o Brasil

Sobre o caso brasileiro, o economista que auxilia Sérgio Moro afirmou que “a obrigação do governo” é atuar na área social, visando reduzir a pobreza extrema e a falta de oportunidades, incluindo “transferências de renda que ‘deem a todos o mesmo ponto de partida'”.

Outros destaques do artigo foram a defesa da “meta de um desmatamento zero” e de políticas sustentáveis, bem como a defesa da responsabilidade fiscal e de uma reforma tributária que implemente um IVA (Imposto sobre valor agregado) único.

PUBLICIDADE

O economista também criticou o “capitalismo de compadrio” do governo do PT e destacou a importância de se aperfeiçoar as instituições. Segundo ele, um dos erros do governo Bolsonaro foi a “política de confronto e de enfraquecimento das instituições” que teria gerado reflexos na economia.

Compartilhe essa notícia:

APOIO

Obrigado por ter lido até aqui.

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?