fbpx
PUBLICIDADE

Em evento de filiação, Flávio faz indiretas a Moro: ‘Traidor’

Com a presença de Valdemar Costa Neto, Arthur Lira e ministros do governo, presidente e o filho, Flávio, filiaram-se oficialmente ao PL
Foto: Reprodução/YouTube
PUBLICIDADE

O presidente Jair Bolsonaro se filiou nesta terça-feira (30) ao Partido Liberal em evento que ocorreu em Brasília com a presença de ministros e aliados. Também filiou-se à sigla presidida por Valdemar Costa Neto o senador Flávio Bolsonaro (PL).

PUBLICIDADE

Enquanto que, em sua fala, o presidente buscou enaltecer os diversos quadros políticos que apoiam o governo, Flávio partiu para críticas mais acentuadas a prováveis adversários nas eleições de 2022.

Sobre Moro, vieram algumas das falas mais duras. Sem mencioná-lo nominalmente, classificou-o como “traidor”:

PUBLICIDADE

“A política pode até perdoar traição, mas não o traidor. Traidor é aquele que humilha uma mulher, que expõe publicamente uma pessoa pensando no poder porque o convidou para ser seu padrinho de casamento. E aí a decepção vem na proporção inversa à admiração que as pessoas possuíam”, disse Flávio, em provável referência ao episódio de mensagens de WhatsApp entre o ex-juiz e a deputada federal Carla Zambelli, de quem foi padrinho de casamento.

Leia também:  Sérgio Moro critica possível alteração na Lei das Estatais
Foto: Reprodução/YouTube

Na sequência, Flávio sugeriu que Sérgio Moro teria colaborado para que a Polícia Federal barrasse pedidos de aquisição de armas de fogo:

“Traidor é aquele que, por ação ou omissão, interfere na Polícia Federal. Num governo conservador, havia uma orientação superior para que dificultasse, por exemplo, a aquisição de armas de fogo para as pessoas exercerem o direito à legítima defesa. Um presidente que foi eleito com essa bandeira”, lamentou.

PUBLICIDADE

Por fim, Flávio também disse que “traidor é aquele que tenta colocar no governo pessoas que defendem o aborto”, uma provável referência à inclusão no governo pelo então Ministério de Justiça de nomes que faziam oposição a Bolsonaro, em gesto que acabou sendo interrompido por pressão das redes sociais, e sugeriu, por fim, que o ex-ministro da Justiça “não tomou as devidas providências para saber quem mandou matar Bolsonaro”.

Compartilhe essa notícia:

APOIO

Obrigado por ter lido até aqui.

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?