fbpx
PUBLICIDADE

Manifestação pelo impeachment reúne milhares, mas não supera dia 7

Protestos reunindo lideranças de diversas correntes políticas reivindicaram aumento da vacinação e abertura de processo contra o presidente da República
Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

As mobilizações previstas para este domingo (12), convocadas inicialmente pelo Movimento Brasil Livre e pelo Vem Pra Rua para pedir o impeachment de Jair Bolsonaro, aglutinaram forças políticas opostas, como membros do Partido Novo e o PCdoB. Mesmo reunindo milhares pelo Brasil, elas tiveram adesão menor que as manifestações do último dia 7. [1]

PUBLICIDADE

Os protestos deste domingo defendiam que o combate ao presidente da República justificaria a suspensão temporária das divergências ideológicas. Alguns organizadores e militantes fizeram alusões a movimentos históricos brasileiros, como as “Diretas Já”, que trabalharam pelo fim das eleições indiretas vigentes no regime militar.

Além de movimentos como o MBL, o Vem Pra Rua e o Livres, as manifestações atraíram lideranças do PCdoB e do PDT – inclusive, Ciro Gomes, que foi candidato à presidência por esta última legenda em 2018 e se apresenta como possível alternativa contra Lula e Bolsonaro em 2022, esteve presente em São Paulo.

PUBLICIDADE

Leia também:  Amoêdo vê com bons olhos saída de filiados do NOVO contra o impeachment

Na Avenida Paulista, além de Ciro, Henrique Mandetta, João Doria e João Amoêdo participaram e discursaram em palanques. Apesar de o PT e o PSOL rejeitarem as manifestações, a deputada estadual Isa Penna (PSOL/SP) participou e disse: “acho que a esquerda toda deveria estar aqui”. [2]

O movimento Vem Pra Rua protagonizou um atrito na manifestação de São Paulo ao levar um boneco inflável crítico ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O MBL e a deputada Isa Penna atuaram juntos para tentar convencê-los a retirar o boneco. O motivo foi o acordo prévio para que o foco fosse exclusivamente no presidente da República. [3]

O acordo estabelecia que o mote “Nem Lula, nem Bolsonaro” seria abandonado. Os atos envolveram menções às denúncias de envolvimento do senador Flávio Bolsonaro com a apropriação de salários de assessores (as “rachadinhas”).

Leia também:  Amoêdo lançará livro sobre sua 'jornada até a política'

Os manifestantes compareceram trajados de branco e pediam também a aceleração do processo de aquisição de vacinas para o combate da pandemia do coronavírus. Algumas centrais sindicais, como a Nova Central Sindical Trabalhadores (NCST) e a União Geral dos Trabalhadores (UGT), participaram dos protestos. [4]

PUBLICIDADE

Confira imagens das manifestações:

(Foto: Reprodução/Facebook)

 

(Foto: Reprodução/Facebook)

 

(Reprodução/Facebook)
Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama