fbpx
PUBLICIDADE

Deputados do NOVO propõem que plenário tenha poder de abrir impeachment

Uma proposta protocolada pela deputada Adriana Ventura (NOVO/SP), em conjunto com outros colegas da sigla, pretende retirar a exclusividade do presidente da Câmara
Adriana Ventura (Foto: Reprodução/Facebook)
PUBLICIDADE

A possibilidade do impeachment de Jair Bolsonaro está sendo discutida, assim como em quase todos os governos. O Partido Novo anunciou nesta sexta-feira (16) que protocolou um projeto de lei que pretende facilitar a abertura de eventuais processos do gênero, retirando a exclusividade da decisão das mãos do presidente da Câmara. [1]

PUBLICIDADE

O Projeto de Resolução nº 49/2021 é da deputada Adriana Ventura (NOVO/SP), em coautoria com Paulo Ganime (NOVO/RJ), Alexis Fonteyne (NOVO/SP), Tiago Mitraud (NOVO/MG) e Vinícius Poit (NOVO/SP). O projeto estabelece que o presidente da Câmara teria um prazo total de sessenta dias para responder a pedidos de impeachment.

Mais do que isso, porém, ele determina que o processo poderia ser instaurado automaticamente se recebesse o apoio da maioria absoluta dos deputados, ou seja, um total de 257. ““O que a gente está discutindo é que, se a Câmara é a Casa do Povo, esta Casa não pode ficar à mercê da vontade de uma única pessoa, que é o seu presidente”, alegou Adriana Ventura.

PUBLICIDADE

Ela explicou que o projeto não é voltado apenas para os cerca de 130 pedidos de impeachment contra Bolsonaro que atualmente estão na mesa do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL). “Não é porque é este presidente. É qualquer presidente da Câmara. Ele tem um poder absurdo. Decide o que entra ou não em pauta, o que vai ou não para frente”, justificou ao Estadão.

O projeto, que ainda tramitará pela Comissão de Constituição e Justiça, estabeleceria que o presidente da Câmara deve julgar dentro do prazo máximo de sessenta dias se arquiva um pedido ou instala a Comissão Especial. Contudo, se a maioria absoluta dos parlamentares apoiasse um pedido, a determinação do presidente da Câmara passaria a ser irrelevante.

“Vamos supor que tenha um pedido de impeachment com 257 deputados apoiando. A gente está falando da maioria da casa. Neste caso, vai direto para a Comissão Especial. O projeto de resolução estabelece isso, que eu acho que é justo”, Adriana acrescentou.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama