fbpx
PUBLICIDADE

Em nova declaração enigmática, Bolsonaro volta a especular não ter eleições sem voto impresso

Presidente falou com apoiadores, xingou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, e trouxe dúvidas sobre as pesquisas eleitorais que indicam Lula na frente
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Em declaração dada a apoiadores na manhã desta sexta-feira (9), em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a suscitar dúvidas sobre o processo eleitoral brasileiro, ofendeu o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, e especulou, de forma enigmática, a possibilidade de não ter eleições sem voto impresso. [1][2]

PUBLICIDADE

“Não tenho medo de eleições. Entrego a faixa para quem ganhar no voto auditável e confiável. Dessa forma [atual], corremos o risco de não termos eleições no ano que vem”, disse, sem maiores detalhes.

Apoiador do sistema em que o voto é registrado tanto por meio eletrônico quanto por meio impresso, Bolsonaro, assim como apoiadores, chama esse modelo de “auditável” por permitir a recontagem manual dos votos.

PUBLICIDADE

“Hoje em dia, é de cima para baixo. A fraude está no TSE, para não ter dúvida. Isso foi feito em 2014”, denunciou Bolsonaro, sem apresentar provas, mas mencionando a apuração minuto a minuto do Tribunal Superior Eleitoral na disputa entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) que teria acompanhado.

“O minuto a minuto, por 271 vezes consecutivas, dá para imaginar, com quatro horas e pouco, momentos antes de as curvas se tocarem, dava ‘Dilma ganhou’, ‘Aécio ganhou’, ‘Dilma ganhou’, ‘Aécio ganhou’. É vocês jogarem uma moeda 271 vezes para cima e dar ‘cara, coroa, cara, coroa’. Então isso é fraude, é roubalheira. Vocês acham que Renan Calheiros fraudaria a votação, pelo caráter que ele tem? A única forma de bandidos, como Renan Calheiros, se perpetuarem na política, entre outros que estão do lado dele, como o “nove dedos”, é na fraude”, acusou.

Segundo Jair Bolsonaro, as pesquisas de intenção de voto que indicam a boa performance do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também seriam fraudadas. “É para ser confirmado o voto fraudado no TSE. Não estou culpando todos os servidores do TSE, mas na cabeça ali, tem algo”, reclamou.

“Se queremos mostrar transparência [ao defender o voto auditável], por que o Barroso é contra? […] Aí vem o Barroso, com a história esfarrapada dele, entre outras, dizer que o voto em papel… que se o João for votar lá no interior do Ceará e engripar a maquininha… aí o mesário vai lá e ver que o João votou em tais candidatos, que isso desqualificaria as eleições, porque fere o sigilo do voto. Essa é a resposta de um imbecil. Eu lamento falar disso de uma autoridade do Supremo Tribunal Federal. Só um idiota para falar isso aí”, pontuou.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama