fbpx
PUBLICIDADE

Liberais criticam reforma tributária proposta por Guedes

Em artigo ao jornal "Folha de S. Paulo", Helio Beltrão chegou a dizer que Guedes "trai o apoio que lhe restava" e a "casa cai"; Bernardo Santoro, ex-presidente do Instituto Liberal, por sua vez, ironizou a situação: "Quem precisa de socialistas?"
Helio Coutinho Beltrão é presidente do Instituto Mises Brasil e um dos principais nomes do movimento liberal brasileiro (Foto: Reprodução/YouTube)
PUBLICIDADE

Um conjunto cada vez maior de liberais está criticando a segunda parte da reforma tributária, apresentada pelo ministro Paulo Guedes na última semana à Câmara dos Deputados. As críticas se centram na proposta de tributar os dividendos dos acionistas, onerando ainda mais a atividade empresarial. [1]

PUBLICIDADE

Em artigo publicado nesta quarta-feira (30) no jornal “Folha de S. Paulo”, o presidente do Instituto Mises Brasil, Helio Beltrão, chegou a dizer que, “com essa reforma, a casa cai” e que Guedes “trai o apoio que lhe restava”.

“Guedes […] prometeu, ao assumir o cargo, que jamais aumentaria ou criaria impostos. Também prometeu redução de alíquotas, induzindo crescimento sem comprometer a arrecadação global. Em uma surpreendente reviravolta, pode virar herói de adeptos de Mercadante, Chauí e Maria da Conceição Tavares”, ironizou.

PUBLICIDADE

Para Beltrão, a reforma proposta por Guedes tem “puro intuito arrecadatório” e fará com que o Brasil, em vez de tributar 34% das empresas como atualmente, possa chegar a 49% de impostos nos cálculos dele. “O resultado, que Guedes bem conhece, é a diminuição global do investimento”, disse.

Ex-presidente do Instituto Liberal, Bernardo Santoro também se manifestou sobre o assunto. Nas redes sociais, disse que a medida representa uma verdadeira “bitributação”, porque “a empresa já para Imposto de Renda”.

“É um movimento político que nem os governos de esquerda do PT tiveram coragem de fazer. Com liberais assim, quem precisa de socialistas?”, reclamou. [2]

Na última sexta-feira (25), o deputado federal Alexis Fonteyne (NOVO/RS) também havia afirmado, nas redes sociais, que não considerava o pacote como uma reforma tributária.

PUBLICIDADE

“A maior crítica é o aumento da carga tributária sobre as empresas, que no Brasil já era a maior do mundo antes deste pacote. O pagamento de 5% para atualização do valor dos imóveis é apropriação indevida de impostos de futuros governos”, reclamou. [3]

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?