fbpx

Bolsonaro sanciona e entra em vigor a autonomia do Banco Central

Medida foi defendida por liberais como uma forma de blindar a instituição contra pressões políticas; em discurso, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, frisou que país fica "em linha com as melhores práticas"

O presidente Jair Bolsonaro sancionou e entrou em vigor nesta quinta-feira (25) a lei complementar sobre a autonomia do Banco Central. A medida foi defendida por liberais e é vista como positiva pelo mercado.

A partir de agora, os presidentes do Banco Central terão mandatos fixos e não coincidentes com os do presidente da República, tendo cada um duração de quatro anos e com direito a uma recondução.

A indicação de presidente do Banco Central seguirá sendo feita pelo presidente da República e, tal como já ocorria, precisará de aprovação no Senado – à exceção é no caso de recondução.

A demissão, por sua vez, ganha regras. O presidente do Bacen só poderá ser demitido “a pedido”, sendo os problemas permitidos doença “que incapacite o titular para o cargo”, condenação definitiva por ato de improbidade ou crime em que a pena proíba o exercícios cargos públicos.

O único cenário de demissão contra a vontade própria se daria por “comprovado e recorrente desempenho insuficiente”. Neste último caso, a demissão precisaria ser aprovada pelo Senado. [1]

Em evento ocorrido em Brasília nesta quarta-feira (24), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, celebrou a autonomia como colocar o Brasil “em linha com as melhores práticas internacionais”. Na avaliação dele, a medida “facilita nosso trânsito no mundo, inclusive nos ajudando a entrar na OCDE”. [2]

[wp_ad_camp_3]

Compartilhe essa notícia:

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?