fbpx
PUBLICIDADE


Liberais reagem contra artigo de Atila Iamarino que pede autoritarismo

Na ‘Folha de S. Paulo’, biólogo defendeu que sejam “caladas as vozes antivacina” ou que os imunizantes sejam “compulsórios”: “um apelo autoritário, de uma forma ou de outra”

- Publicado no dia
Foto: Reprodução

Um artigo do biólogo Atila Iamarino publicado nesta terça-feira (12) no jornal Folha de S. Paulo defendendo medidas autoritárias para, supostamente, “auxiliar” o combate à pandemia gerou críticas entre lideranças liberais. [1]

No texto, o colunista defende que “ou será preciso calar as vozes antivacina ou [será preciso] tornar a vacina compulsória”.


PUBLICIDADE



“Se a informação falsa sobre vacinas não for barrada na imprensa e em redes sociais, só uma vacinação compulsória chegaria em proporções suficientes. Um apelo autoritário, de uma forma ou de outra”, escreveu.

Reações

“Nunca conheci um autoritário que considerasse o seu próprio autoritarismo ‘desnecessário’. É sempre em nome de um ‘bem maior’ ou de ‘uma causa superior’ que justificam o autoritarismo”, escreveu o deputado estadual Fábio Ostermann (NOVO/RS) nas redes sociais. Ele também é um dos fundadores da associação suprapartidária Livres. [2]

O parlamentar defendeu ainda que “já passa da hora de pararmos de dar tanto ouvido a ‘especialistas’ midiáticos como Atila Iamarino tem a dizer sobre as nossas liberdades”.

Presidente do Instituto Mises Brasil e também colunista da ‘Folha’, Helio Beltrão repercutiu o artigo pontuando que “os ditadores acabam se revelando”. [3]


PUBLICIDADE



“É uma vergonha que gente que defenda autoritarismo seja respeitada por muitos no Brasil de hoje”, lamentou.

Uma das principais vozes do cenário liberal e fundador do Instituto de Estudos Empresariais, Roberto Rachewsky chamou Iamarino de “crápula autoritário que ganhou notoriedade ao causar comoção e aterrorizar a população”.

“Ele precisa voltar do lugar que saiu, o anonimato. Gente medíocre, quando lhe dão um pouco de poder, tende ao autoritarismo porque lhes falta autoestima, falta virtude, falta limites. Leiam o artigo com calma, ele não pensa por si. É um ‘second hander’. Conheçam os autores que ele lê e o conhecerão profundamente”, pontuou.

Colunista do Instituto Liberal, Rachewsky também falou que “Atila Iamarino critica fake news e o fascismo como ato diversionista para que os incautos não o tomem pelo que ele é: um fascista propagador de fake news”. [4]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.