fbpx
PUBLICIDADE

Bolsonaro: ‘Se algum de nós exagerou, foi no afã de buscar uma solução’

Um dia após afirmar que não irá se vacinar, presidente se mostrou otimista com o imunizante, elogiou a liderança do ministro Pazuello à frente da Saúde e adiantou que Guedes deve liberar 20 bilhões para aquisição
Bolsonaro conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada (Foto: Reprodução/YouTube)
Bolsonaro conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada (Foto: Reprodução/YouTube)

O Governo Federal lançou na manhã desta quarta-feira (16) em solenidade no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), o Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19. Ainda não foi anunciada a data de início da vacinação, mas o governo reforçou que o programa será nacional e igualitário, sem distinção entre os estados. Com a presença de governadores, parlamentares e ministros, Bolsonaro em sua fala mostrou-se otimista e fez uma mea-culpa. [1]

“Se algum de nós extrapolou ou até exagerou, foi no afã de buscar uma solução. Realmente, [a pandemia] nos afligiu desde o início. Não sabíamos o que era. E nós todos, irmanados, estamos na iminência de apresentar uma alternativa concreta para nos livrarmos desse mal. Esse foi um momento difícil que nós vivemos, mas depois da tempestade, [vem] a bonança”, disse.

Além de mencionar, de forma elogiosa, a liderança do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no combate à pandemia, Bolsonaro ressaltou o papel da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) na “fundamental decisão de definir qual vacina deve ser apresentada de forma gratuita e voluntária para todos os brasileiros”.





Em vídeo exibido pouco antes, apareceram diversos logotipos de laboratórios que desenvolvem o imunizante, entre os quais o Instituto Butantan e a Sinovac.

“O ministro Paulo Guedes liberará nos próximos dias 20 bilhões de reais para comprarmos a vacina daquela empresa que se encaixar nos critérios de segurança e efetividade da nossa Anvisa. A todos os brasileiros, nesse momento de entendimento, de paz é que eu cumprimento a todos. Se Deus quiser, brevemente, estamos na normalidade”, previu.

Apesar do tom pacífico, a declaração vem um dia após comentários de Bolsonaro repercutirem negativamente em parte da opinião pública.

Reiterando em entrevista, outra vez, que não pretende se vacinar (“se eu pegar outra vez, o problema é meu”), o presidente aglomerou-se com populares e policiais em São Paulo, não obedecendo procedimentos de isolamento social recomendados em um momento que o país vive sua segunda onda de infecção. [2]









O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama