fbpx
PUBLICIDADE

Amoêdo critica ideia de tributação no PIX sugerida por Guedes

Em comentário nas redes sociais, principal fundador do NOVO e ex-candidato à presidência da República destaca que PIX facilita vida do cidadão, mas defende corte de gastos como saída
João Amoêdo (Foto: Reprodução / Blog do Linhares)
João Amoêdo (Foto: Reprodução / Blog do Linhares)

Um dos principais nomes críticos ao governo Bolsonaro no meio liberal, João Amoêdo criticou a ideia de taxação do PIX, novo meio de pagamento e transações instantâneas desenvolvimento pelo Banco Central e em funcionamento desde o dia 16. [1]

No Twitter, o fundador do NOVO que concorreu ao Planalto em 2018 disse que a ferramenta “não [é] para ser mais uma forma de cobrança de impostos”.

“O caminho do ajuste fiscal é pelo corte de gastos, e não aumentando, ainda mais, a carga tributária”, escreveu.





Contexto

Na última quinta-feira (19), o ministro da economia, Paulo Guedes, voltou a sugerir uma tributação relacionada a transações financeiras. Desta vez, usando o PIX como exemplo. [2]

O auxiliar de Bolsonaro, que vem tocando no tema de forma cada vez mais direta, costuma sustentar que é preciso uma nova tributação para desonerar a folha salarial das empresas e, com isso, estimular a criação de mais postos de trabalho no país.

O NOVO, por sua vez, tem tido uma postura crítica a impostos sobre transações financeiras e sustenta que a reforma tributária passe, principalmente, por um imposto sobre valor agregado, que tem avançado no Congresso com o nome de IBS.





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama