fbpx
PUBLICIDADE

Partido do ‘moderado’ Boulos ‘rechaça conciliação de classes’

No programa do PSOL, sigla admite vontade de "refundar a ideia e a estratégia do socialismo no imaginário de milhões de homens e mulheres", defende a expropriação e até uma federação na América Latina
(Foto: Wikipedia Commons)

(Foto: Wikipedia Commons)

Após alcançar o segundo turno das eleições municipais de São Paulo, cresce a aposta na narrativa de que o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, seria uma opção mais moderada do que parece para o comando da principal cidade do país. Não é isso, contudo, o que prega o seu partido.

No programa do PSOL, entre outros pontos, a sigla admite que quer “refundar a ideia e a estratégia do socialismo no imaginário de milhões de homens e mulheres”, rechaça-se a “conciliação de classes”, defende-se a expropriação de bens de alguns grupos sociais e sugere-se até mesmo a criação de uma “federação” entre diversas repúblicas da América Latina.

Confira, abaixo, alguns dos controversos e pouco moderados aspectos do programa do PSOL:





Conciliação de classes

Defendendo um “socialismo democrático”, o PSOL afirma em seu programa que a formação do partido não visa “estimular a conciliação de classes”.

Fundado em 2004 e oficializado em 2005, em pleno auge do governo PT, a sigla surge justamente com uma crítica à “moderação” do governo Lula.

“Nossas alianças para construir um projeto alternativo têm que ser as que busquem soldar a unidade entre todos os setores do povo trabalhador. [..] Nosso partido rejeita os governos comuns com a classe dominante”, diz o programa, deixando claro sua crítica ao diálogo com todas as partes da sociedade.

Expropriação

Marxista, o PSOL também não nega que, ao chegar ao poder, defende que a expropriação seja passo fundamental para seu plano de poder.





Entre outros pontos que aborda o tema, o PSOL defende que “não existe saída para o campo brasileiro sem a expropriação das grandes fazendas, sejam elas produtivas ou não”.

Mesmo entre os defensores da reforma agrária, esse tipo de medida é considerada radical e pode ser intepretada como uma ameaça ao agronegócio, responsável por boa parte da balança comercial brasileira.

Em outro ponto do programa, o partido de Boulos defende a “expropriação dos grandes grupos monopólicos capitalistas”, a “estatização das empresas privatizadas” e até mesmo a expropriação de grupos específicos: “latifundiários, especuladores, capitalistas e banqueiros”.

Foto: Editoria

Federação

O hipotético termo URSAL, uma abreviação para “União das Repúblicas Socialistas da América Latina”, ganhou fama em 2018 após ter sido citado em debate por Cabo Daciolo, candidato à presidência da República pelo Patriota.





Maior integração entre os países latinoamericanos, no entanto, também faz parte do programa do PSOL. A legenda defende abertamente em seu programa partidário a “unidade dos trabalhadores e do povo da América Latina” e sai em defesa de uma “federação das repúblicas” da região.

“Na luta contra o imperialismo estamos pela mais ampla unidade de ação com todas as forças que estejam dispostas a uma ação concreta contra o mesmo”, diz o texto.

Leia o programa na íntegra clicando aqui.





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama