fbpx
PUBLICIDADE

Reforma administrativa: liberais se dividem entre elogios e críticas à PEC

O governo apresentou nesta quinta-feira (3) a Proposta de Emenda Constitucional para uma reforma administrativa no setor público: projeto, contudo, contempla apenas novos servidores federais
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil
PUBLICIDADE

O governo apresentou nesta quinta-feira (3) a Proposta de Emenda Constitucional para uma reforma administrativa no setor público. O projeto contempla apenas novos servidores federais e já vinha sendo esperado há meses. [1][2]

PUBLICIDADE

Dentre as principais mudanças, estão a flexibilização da estabilidade para novos servidores que não adentrem nas chamadas carreiras “típicas de Estado” – um projeto de lei vindouro classificaria quais seriam e não seriam. As demissões poderiam ser justificadas, por exemplo, em caso de políticas de corte de gastos.

Levantamento do Ministério da Economia aponta que os gastos anuais com o funcionalismo público federal no Brasil são superiores a R$ 320 bilhões, o equivalente a mais de 20% de todas as despesas do governo.

PUBLICIDADE

Leia também:  Reforma administrativa é aprovada na Comissão Especial e um fato chama atenção

Repercussão entre liberais

(Foto: Divulgação)

Entre os liberais, houve críticas e elogios sobre a proposta. A economista e advogada Elena Landau, ligada ao Livres, classificou a reforma como uma “cortina de fumaça”. [3]

“Tem impacto zero no curto prazo. Tanto em termos fiscais, como sobre eficiência e qualidade de serviços públicos. Não precisa de PEC para fazer avaliação de desempenho ou rever carreiras. Porque servidores não podem ser avaliados? É o futuro sendo adiado. Mas uma demonstração de covardia na implementação de políticas públicas absolutamente necessárias”, pontuou.

A economista, por fim, afirmou que a proposta apresentada foi mais uma “vitória do corporativismo” e defendeu que o Brasil precisa “reduzir imediatamente gastos obrigatórios”.

Outros nomes ligados ao cenário liberal, contudo, optaram por uma abordagem mais positiva. Entre eles, o deputado federal Vinicius Poit (NOVO/SP), que destacou que, entre outros privilégios, a reforma administrativa acabará [para novos servidores] com a aposentadoria compulsória como punição, aumento e promoção por tempo de serviço e férias com mais de 30 dias ao anos.

PUBLICIDADE

Leia também:  Reforma administrativa: relator defende continuidade da estabilidade

“Esse é o caminho da mudança”, pontuou.

Veja, abaixo, a íntegra do prospecto enviado pelo governo:

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?