fbpx
PUBLICIDADE


Moro e Mandetta reagem à marca de 100 mil mortos por coronavírus

Os ex-ministros do governo Bolsonaro manifestaram suas lamentações pelo número; o ex-ministro da Saúde vê responsabilidade direta do presidente da República

- Publicado no dia
Moro e Mandetta (Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)

Com o atingimento da marca de 100 mil vítimas fatais por coronavírus no Brasil divulgado pelos meios de comunicação neste sábado (8), diferentes reações marcaram o cenário político. Alguns ex-ministros do governo de Jair Bolsonaro se manifestaram sobre o número.

Um deles foi o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Ele afirmou que não é possível se conformar com a marca e acrescentou: “Nem apenas dizer ‘Cem mil –  e daí?’. São mais de 100 mil mortos; 100 mil famílias que perderam entes para a Covid. Que a ciência nos aponte caminhos e que a fé nos dê esperança.” [1]


PUBLICIDADE



Além de Moro, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta também se pronunciou, em entrevista à Folha de S. Paulo. O tom de Mandetta foi de crítica direta ao presidente da República. Na avaliação do ex-ministro, existem diversas explicações para o fato de o Brasil ter tido esse número de mortes em consequência da doença, mas a responsabilidade do presidente não pode ser afastada.

“Houve uma série de fatores, mas o fator presidente foi preponderante. Ele deu argumento para as pessoas não ficarem em casa. Ele deu esse exemplo e serviu de passaporte para as pessoas aderirem politicamente a essa ideia. (…) Foi uma somatória de fatores, mas principalmente liderados pela posição do governo, que trocou dois ministros e botou um terceiro que fez uma ocupação militar sem técnicos na Saúde”, disse Mandetta. [2]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.