fbpx
PUBLICIDADE


Governo Bolsonaro reage a liminar de Luiz Fux sobre as Forças Armadas

Liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal respondia a ação movida pelo PDT; o governo se manifestou em nota assinada em conjunto pelo presidente da República, o vice e o ministro da Defesa

- Publicado no dia

Depois que o ministro do STF Luiz Fux determinou em liminar, a pedido do PDT, que as Forças Armadas não são um Poder Moderador e não podem ser usadas para interferir nos poderes da República, o governo Bolsonaro se manifestou oficialmente nas redes sociais da Secretaria de Comunicação nesta sexta-feira (12). O pronunciamento terminou em tom elogioso ao ministro.

“As Forças Armadas não aceitam ilegalidades. Reforçamos na nota o que disse Fux, precisa acabar essa história de que as Forças estão metidas na política. Não tem general fardado metido com política”, ratificou o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. A nota do governo foi assinada conjuntamente por ele, pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Defesa, o general Fernando Azevedo.[1]


PUBLICIDADE



No texto, o governo reconhece que as Forças Armadas “estão sob a autoridade suprema do Presidente da República, de acordo com o Art. 142/CF”. Fazendo referência ao tão discutido artigo da Constituição Federal – especulado pelo jurista Ives Gandra Martins como um dispositivo pelo qual um poder poderia realizar uma intervenção militar em outro -, o texto repete que as Forças Armadas podem agir em defesa da lei e da ordem por iniciativa de qualquer um dos três poderes. [2]
A nota acrescenta que elas “não cumprem ordens absurdas, como por exemplo a tomada de poder. Também não aceitam tentativas de tomada de poder por outro Poder da República, ao arrepio das leis, ou por conta de julgamentos políticos”. Por fim, o governo Bolsonaro sentenciou que o ministro Luiz Fux “bem reconhece o papel e a história das Forças Armadas, sempre ao lado da democracia e da liberdade”.
★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.