fbpx
PUBLICIDADE


Presidente autoriza venda de fuzis para caça, treino e proprietários rurais

A medida é um desdobramento da sanção, em setembro de 2019, de um projeto de lei que contempla os anseios por ampliação do acesso às armas

- Publicado no dia
(Foto: Vladimir Platonow/Agência Brasil)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, havia sancionado um projeto de lei em setembro de 2019 permitindo a moradores rurais a posse de arma de fogo e seu uso dentro do território da propriedade. Nesta sexta-feira (5), foi liberada, por consequência, a venda de fuzis do Exército a produtores rurais – além de caçadores e atiradores. [1] [2]

Até então, os fuzis 5.56  e 7.62 eram exclusivos das Forças Armadas e das polícias. Com a decisão de Jair Bolsonaro, a Imbel, indústria de armas subordinada ao Exército brasileiro, já está disponibilizando exemplares desses fuzis para aquisição privada, desde que com as finalidades apontadas. Segundo definição estabelecida pelo Exército em 2000, a arma que disparasse projétil com energia de lançamento acima de 407 joules seria considerada de uso mais restrito.


PUBLICIDADE



A partir de agora, na prática, esse limite foi ampliado para 1.620 joules. A medida provocou entusiasmo nos defensores da flexibilização do acesso a armas, mas também suscitou as costumeiras críticas. Uma das vozes que se levantaram publicamente contra a medida do presidente foi a do jornalista Reinaldo Azevedo, que a considerou oportunista e perigosa.

“Quem garante que a arma fica com o comprador? Ninguém. Por intermédio da Portaria 62, Bolsonaro revogou o rastreamento de armas e munições no país. Caso continue em vigor — há uma ação do PSOL no STF contra a medida —. fuzis vendidos pelo Exército Brasileiro poderão cair nas mãos das milícias e do narcotráfico sem qualquer controle”, argumentou Azevedo.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.