fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro sugere que Moro atuou contra posse de armas; ex-ministro responde

Declaração do presidente foi feita em frente ao Palácio da Alvorada em conversa com eleitores que se queixavam da dificuldade em adquirir armas de fogo; relato emocionante de cadeirante provocou debate

- Publicado no dia
Bolsonaro conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada (Foto: Reprodução/YouTube)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta segunda-feira (1º) em frente ao Palácio da Alvorada que o ex-ministro Sérgio Moro atuou contra a posse e o porte de armas de fogo. [1]

A declaração veio após ouvir um relato emocionado de um cadeirante que lamentou o fato ter ficado deficiente por ter pedido a chance de se defender.


PUBLICIDADE



“Pessoal, para vocês entenderem um pouquinho [de] quem estava do meu lado. […] Ele, por determinação normativa, ignorou decretos meus [visando] dificultar a posse e o porte de armas de fogo para as pessoas de bem. Tem uma portaria nova que o ministro revogou que, apesar de não ter força de lei, orientava a prisão de civis. Por isso, naquela reunião secreta, o Moro de forma covarde ficou calado. Ele queria uma portaria ainda, depois, que multasse quem estivesse na rua. Esse era o cara que estava lá, perfeitamente alinhado com outra ideologia que não era a nossa. Graças a Deus, ficamos livres dele”, disse Bolsonaro.

Resposta

No início da tarde, pelo Twitter, Moro publicou uma nota criticando a declaração. Entre outros pontos, Moro afirmou que a “flexibilização de posse e porte de armas são medidas que podem ser legitimamente discutidas”, mas que “não se pode pretender, como desejava o presidente, que sejam utilizadas para promover espécie de rebelião armada contra medidas sanitárias impostas por governadores e prefeitos”. [2]

“Também não é igualmente recomendável que mecanismos de controle e rastreamento do uso dessas armas e munições sejam simplesmente revogados, já que há risco de desvio do armamento destinado à proteção do cidadão comum para beneficiar criminosos”, pontuou.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.