fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro, Mourão e ministro da Defesa celebram 31 de março

Enquanto que o presidente da República sustentou que a data deve ser lembrada como “dia da liberdade”, o ministro da Defesa sustentou que o “movimento de 1964” foi um “marco para a democracia brasileira”

- Publicado no dia
Tanques de guerra se posicionam em avenida no Rio de Janeiro no dia 31 de março de 1964 (Foto: Acervo Púiblico)

Pelo menos três autoridades da alta cúpula do governo celebraram, nesta terça-feira (31), o dia 31 de março – data em que teve o início o regime militar de 1964.

Saindo do Palácio da Alvorada e provocado por populares, o presidente Jair Bolsonaro rotulou a data como “dia da liberdade”. [1]

Nas redes sociais, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que “há 56 anos, as Forças Armadas intervieram na política nacional para enfrentar a desordem, subversão e corrupção que abalavam as instituições e assustavam a população”. [2]


PUBLICIDADE



Na sequência, Mourão complementou que “com a eleição do General Castello Branco [para a presidência da República], iniciaram-se as reformas que desenvolveram o Brasil”.

Nota oficial

ministro da Defesa, Fernando Azevedo, foi outro nome que se manifestou publicamente em nota divulgada no site do ministério para defender o regime militar iniciado no dia 31 de março de 1964.

“O Movimento de 1964 é um marco para a democracia brasileira. O Brasil reagiu com determinação às ameaças que se formavam àquela época. O entendimento de fatos históricos apenas faz sentido quando apreciados no contexto em que se encontram inseridos”, começa o texto, que reforçou que “enquanto a humanidade tratava os traumas do pós-guerra, outras ameaças buscavam espaços para, novamente, impor regimes totalitários”.

“Aquele foi um período em que o Brasil estava pronto para transformar em prosperidade o seu potencial de riquezas. Faltava a inspiração e um sentido de futuro. Esse caminho foi indicado”, conclui o texto, que aponta ainda que a data se tratou de um marco para a democracia brasileira “muito mais pelo o que evitou”. [3]

Debate sobre 1964

Em 2019, o Boletim da Liberdade organizou um debate sobre o episódio. De um lado, um defensor do movimento militar que levou à queda do ex-presidente João Goulart e, de outro, um liberal ligado ao Livres crítico ao episódio.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liebrdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.