fbpx
PUBLICIDADE

Ex-MBL, Gabriel Monteiro afirma que perdeu porte de arma e corre risco de vida

Ativista fez acusações graves a ex-comandante geral da Polícia Militar e está enfrentando um processo de expulsão da corporação; segundo ele, sua vida está ameaçada
Gabriel Monteiro (Foto: Reprodução/Facebook)
Gabriel Monteiro (Foto: Reprodução/Facebook)
PUBLICIDADE

Ex-membro do Movimento Brasil Livre e atualmente liderança do movimento União Libertadora, o policial militar Gabriel Monteiro anunciou nesta quinta-feira (5) que está sendo expulso da PM. Monteiro afirmou que já perdeu o porte de armas e que está correndo risco de vida.

PUBLICIDADE

Em vídeo publicado em suas redes sociais, o ativista declarou que sempre teve o objetivo de combater os criminosos e os policiais corruptos. “O poder dos comandantes corruptos é bastante exacerbado, só quem está dentro da Polícia Militar sabe como é difícil combater os comandantes que estão de sacanagem”, ele desabafou.

Monteiro disse que perdeu suas funções na polícia e está submetido a um Conselho que irá expulsá-lo.

PUBLICIDADE

Leia também:  Manifestação pelo impeachment reúne milhares, mas não supera dia 7

O motivo teria sido um questionamento a um ex-comandante da polícia militar que teria proximidade com o Comando Vermelho. Em discurso inflamado e emocionado, Monteiro relatou que está sendo ameaçado pelo Comando Vermelho por seus ataques aos comandantes corruptos, mas isso não o impedirá de continuar.

O documento que informa a suspensão do porte de armas comunica que ele tratou “de forma desrespeitosa em pelo menos duas ocasiões” um “oficial superior da reserva”, o ex-comandante geral da PM, Íbis Silva Pereira, a quem Gabriel Monteiro acusa de envolvimento com o crime. Gabriel iniciou uma série de publicações nas redes sociais em que denuncia o acontecimento e pede a seus seguidores que compartilhem o conteúdo.

Leia também:  Manifestação pelo impeachment reúne milhares, mas não supera dia 7

Em uma dessas publicações, Monteiro relatou que um amigo enviou imagens de ameaças de morte do Comando Vermelho em razão de seu enfrentamento ao ex-comandante. A campanha de apoio ao ativista ocupou posição de destaque entre os assuntos mais comentados no Twitter. “Se eu morrer, (…) quero que saibam que os maiores responsáveis estão na alta cúpula da PMERJ”, enfatizou.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama